quarta-feira, 10 de junho de 2015

É páscoa ou semana santa ?

É PÁSCOA OU SEMANA SANTA?



ISRAEL OU IGREJA? ANTIGO OU NOVO TESTAMENTO?
Pr. Érico R. Bussinger
É sabido por todos que o brasileiro não é muito de guardar dias santos. Mas gosta bastante de um feriado religioso. Principalmente quando dá para emendar no fim de semana e gerar um “feriadão”. Os evangélicos, devido à ênfase posta na doutrina da graça, não são muito de guardar essas datas religiosas. Mas também gostam muito de um feriado religioso. Em geral, nós também apreciamos essas datas, pois nos dão a oportunidade de fazermos“Retiros Espirituais”, em que podemos buscar a Deus e o conhecimento bíblico de forma mais intensa que a rotineira. E assim tem sido conosco na Comunidade Ramá, normalmente nas datas de Carnaval, Semana Santa e no “Corpus Christi”. Entendemos que dessa forma estamos também atendendo às intenções de Deus, quando instituiu as festas obrigatórias de Israel (Páscoa, Pentecostes e Tabernáculos).
Por ocasião do último retiro da Semana Santa, me ocorreu de questionar a designação mais apropriada daquela semana especial: Se a chamaríamos de Páscoa, designação mais corrente no mundo e no comércio, ou de Semana Santa, mais relacionada com o significado religioso e cristão da mesma.
A chamada Semana Santa começa com o Domingo de Ramos, lembrando que o Senhor Jesus entrou em Jerusalém aclamado por uma multidão festiva. Seguem-se dias de reclusão, nos quais, até à quinta-feira santa, Jesus se esquivou do grande público, reunindo-se a portas fechadas com os seus discípulos mais achegados. Na companhia deles foi para o Jardim das Oliveiras, onde se consumaria a traição de Judas e Jesus seria preso. Passou a noite sendo interrogado pelos líderes judeus, esbofeteado, cuspido e torturado. Na sexta-feira da Paixão foi levado preso até à presença do governador Pilatos, quem por fim o julgou e o condenou. Crucificado, rendeu o espírito às 3:00h da tarde. E no domingo ressuscitou, protagonizando dessa forma, os momentos mais significativos da obra redentora de Deus (a morte e a ressurreição), que aliás devem ser lembradas por ocasião do batismo de qualquer pessoa (Rm.6:5).
Nós sabemos também que Deus foi quem instituiu a Festa da Páscoa, para que os israelitas se lembrassem da sua saída do Egito de forma portentosa. Foi quando Deus, de modo sobrenatural, através de Moisés, praticamente destruiu todo o Egito. Jesus Cristo, como um bom judeu, aprendeu a sempre também comemorar a Páscoa. E Ele o fez até o fim. Por ocasião, entretanto, da Sua última Páscoa, Jesus instituiu a Ceia do Senhor e mandou que os seus discípulos todos a celebrassem, no intuito de se lembrarem da Sua morte (“Fazei isto em memória de mim”-1Co.11:24 e 25). Os significados são bem diferentes: saída do Egito e sofrimento da morte de Cristo. Para os judeus, as datas também são diferentes.
Afinal, os cristãos devem celebrar a Páscoa?
No meu entender, os cristãos não devem celebrar a Páscoa. Primeiro, porque o Senhor Jesus assim o não determinou. Depois, porque o seu significado ficaria difuso (sem um sentido claro para um cristão). Também não há um ritual estabelecido no Novo Testamento para essa finalidade.O ritual dos judeus, de se matar um cordeiro, comer pães asmos e ervas amargas, não se aplicaria a cristãos. Portanto, ao meu ver, qualquer cerimônia de celebração da Páscoa por cristãos estaria a confundir a Lei com a graça. No praticar qualquer cerimonial pascoalino, isso teria mais a ver com a tradição judaica do que com a Bíblia, reduzindo assim a importância da celebração da Ceia do Senhor.
Não é de se admirar que o mundo não valorize a lembrança da morte de Jesus, preferindo encobri-la com a celebração diferente de uma “Páscoa alegre” , que distraia a atenção das pessoas daquele episódio que deveria ser o centro da pregação evangélica, a morte expiatória de Jesus. Em outras palavras, falar para nossos filhos, parentes, amigos e conhecidos de uma festa alegre da Páscoa, com ovos de Páscoa, chocolates, coelhinhos e outras coisas assim, só teria a agradar a Satanás, no seu intuito de desviar a atenção das pessoas da morte de Jesus no lugar de cada uma delas.
Pense nisto e cuidado quando for falar e comemorar a “Páscoa”.
Paz!