sexta-feira, 11 de outubro de 2019

Compreendendo o Arminianismo em contraste com o Calvinismo


    CALVINISMO  X  ARMINIANISMO
                                               Pr.  Érico  Rodolpho  Bussinger
     Pretendendo ajudar o cristão comum a entender as duas correntes teológicas, busquei, no mais original possível, os pontos principais onde a divergência se acentua. Procure ler e entender!

     Os Cinco Artigos da Remonstrância foram proposições teológicas apresentadas em 1610 pelos seguidores de Jacó Armínio morto em 1609, as quais discordavam das interpretações do ensinamento de João Calvino então vigente na Igreja Reformada Holandesa. Os artigos foram divisórios, e aqueles que os apoiaram foram chamados de "Remonstrantes".
História
     Quarenta e um pregadores e dois líderes do colégio estadual de Leiden para a educação de pregadores reuniram-se em Haia em 14 Janeiro de 1610, para expor por escrito, suas opiniões sobre todos as doutrinas contestadas. O documento na forma de um protesto foi elaborado por Johannes Wtenbogaert e após algumas alterações, foi aprovado e assinado por todos, em Julho de 1610.
     Os Remonstrances não rejeitaram a confissão e o catecismo, mas não reconheceram como permanentes e imutáveis a Lei canônica e os cânones de . Eles atribuíram autoridade apenas à Palavra de Deus na Sagrada Escritura e foram avessos a todo o formalismo. Eles também afirmaram que as autoridades seculares têm o direito de interferir nas disputas teológicas para preservar a paz e evitar cismas na Igreja.
     Os Cinco Artigos da Remonstrância foram sujeitos à fiscalização do Sínodo Nacional realizado na     cidade holandêsa de Dordrecht em 1618-1619. Ao mesmo tempo, Dordrecht era frequentemente chamada em inglês como Dort, o nome inglês comum ainda é Sínodo de Dort. As sentenças do Sínodo são conhecidas como os Cânones de Dort ou Cânones de Dordrecht. Estes cânones constituem o que é muitas vezes chamado de os Cinco Pontos do Calvinismo, comumente apresentados pelo acróstico "TULIP":
Eis o significado de TULIP, em inglês e em tradução comumente aceita em português:
1.    Total Depravity (Depravação total);
2.    Unconditional Election (Eleição incondicional);
3.    Limited Atonement (Expiação limitada);
4.    Irresistible Grace (Graça Irresistível);
5.    Perseverance of Saints (Perseverança dos Santos).
Os Cinco Artigos
     Os Cinco artigos de Remonstrância contrastam com os Cinco Pontos do Calvinismo na maioria dos pontos. O Artigo I discorda que a eleição em Cristo seja incondicional. Em vez disso, neste artigo os remonstrantes afirmam que a eleição é condicional à fé em Cristo e que Deus elege para a salvação aqueles que Ele sabe de antemão que terão fé n'Ele. O Artigo II defende a expiação ilimitada, o conceito de que Cristo morreu por todos. Isso contrasta com a expiação limitada do calvinismo, que afirma que Cristo morreu apenas para aqueles que Deus escolheu serem salvos. O Artigo III afirma a depravação total do homem, que o homem não pode se salvar a si mesmo da Condenação Eterna. O Artigo IV repudia o conceito calvinista de graça irresistível, alegando que a humanidade tem livre-arbítrio para resistir à graça de Deus. O Artigo V, ao invés de rejeitar completamente a noção de perseverança dos santos, argumenta que pode ser condicional ao crente permanecer em Cristo. Os escritores explicitamente não tinham certeza sobre este ponto, e era necessário que um estudo mais aprofundado fosse feito. O texto dos artigos publicados estão em domínio público logo abaixo:
                               CALVINO   X    REMONSTRANTES
·       Depravação Total
     Também chamada de "depravação radical", "corrupção total" e "incapacidade total". Indica que toda criatura humana desde a queda de Adão, é caracterizada pelo pecado, que a corrompe e contamina, incluindo a mente. Por isso, afirma-se que ninguém é capaz de realizar o que é verdadeiramente bom aos olhos de Deus. Em contrapartida, o ser humano é escravo do pecado, por natureza hostil e rebelde para com Deus, espiritualmente cego para a verdade, incapaz de salvar a si mesmo ou até mesmo de se preparar para a salvação. Só a intervenção direta de Deus pode mudar esta situação.
Artigo I - Que Deus, por um eterno e imutável plano em Jesus Cristo, seu Filho, antes que fossem postos os fundamentos do mundo, determinou salvar, de entre a raça humana que tinha caído no pecado – em Cristo, por causa de Cristo e através de Cristo – aqueles que, pela graça do Santo Espírito, crerem neste seu Filho e que, pela mesma graça, perseverarem na mesma fé e obediência de fé até o fim; e, por outro lado, deixar sob o pecado e a ira os contumazes e descrentes, condenando-os como alheios a Cristo, segundo a palavra do Evangelho de Jo 3.36 e outras passagens da Escritura.
·       Eleição Incondicional
     Eleição significa "escolha". É a escolha feita por Deus desde toda a eternidade, daqueles a quem ele concedeu a graça da salvação. Esta escolha não se baseia em nenhum mérito moral ou individual, ou mesmo na fé das pessoas que Ele escolhe; mas sim em Sua decisão soberana, incondicional, irrevogável e insondável. Isso não significa que a mesma salvação final é incondicional, mas que a condição em que assenta (fé) é concedida também pela graça de Deus, como seu presente para aqueles a quem Ele escolheu incondicionalmente
Artigo II - Que, em concordância com isso, Jesus Cristo, o Salvador do mundo, morreu por todos e cada um dos homens (Tt.2:11), de modo que obteve para todos, por sua morte na cruz, reconciliação e remissão dos pecados; contudo, de tal modo que ninguém é participante desta remissão senão os crentes.
·       Expiação Limitada
     Também chamada de "expiação particular", "redenção particular" ou "redenção definida", significa a doutrina segundo a qual a obra redentora de Cristo foi apenas visando a salvação daqueles que têm sido alvo da graça da salvação. A eficácia salvífica do Cristo redentor, então, não é "universal" ou "potencialmente eficaz" para quem iria recebê-lo, mas especificamente designada para consolidar a salvação apenas daqueles a quem Deus Pai escolheu desde antes da fundação do mundo. Os calvinistas não acreditam que a expiação é limitada em seu valor ou poder (se Deus o Pai quisesse, teria salvo todos os seres humanos sem excepção), mas sim que a expiação é limitada na medida em que foi destinada para alguns e não para todos
Artigo III - Que o homem não possui por si mesmo graça salvadora, nem as obras de sua própria vontade, de modo que, em seu estado de apostasia e pecado para si mesmo e por si mesmo, não pode pensar nada que seja bom – nada, a saber, que seja verdadeiramente bom, tal como a fé que salva antes de qualquer outra coisa. Mas que é necessário que, por Deus em Cristo e através de seu Santo Espírito, seja gerado de novo e renovado em entendimento, afeições e vontade e em todas as suas faculdades, para que seja capacitado a entender, pensar, querer e praticar o que é verdadeiramente bom, segundo a Palavra de Deus [Jo 15.5].
·       Graça Irresistível
     Também conhecida como "graça eficaz" e "vocação eficaz", esta doutrina ensina que a influência salvífica do Espírito Santo de Deus é irresistível, superando toda e qualquer resistência. Quando então, Deus soberanamente visa salvar alguém, o indivíduo não tem como resistir a essa graça da vida eterna com o próprio Deus.
Artigo IV - Que esta graça de Deus é o começo, a continuação e o fim de todo o bem; de modo que nem mesmo o homem regenerado pode pensar, querer ou praticar qualquer bem, nem resistir a qualquer tentação para o mal sem a graça precedente (ou preveniente) que desperta, assiste e coopera. De modo que todas as obras boas e todos os movimentos para o bem, que podem ser concebidos em pensamento, devem ser atribuídos à graça de Deus em Cristo. Mas, quanto ao modo de operação, a graça não é irresistível, porque está escrito de muitos que eles resistiram ao Espírito Santo.
·       Perseverança dos Santos
     Também conhecida como "preservação dos santos" ou "segurança eterna", este quinto ponto sugere que aqueles a quem Deus chamou para a salvação, e depois, à comunhão eterna com Ele (" santos ", segundo a Bíblia) não podem cair em desgraça e perder sua salvação. Mesmo que, em suas vidas, o pecado os leve a renunciar à sua profissão de fé, eles (como autênticos eleitos), mais cedo ou mais tarde, retornarão à comunhão com Deus. Essa doutrina é baseada no fato de que a salvação é obra de Deus do começo ao fim, que Deus é fiel às Suas promessas, e que nada nem ninguém pode impedir Seus propósitos soberanos. Este conceito é bem diferente do conceito usado em algumas igrejas evangélicas, de "uma vez salvos - salvos para sempre", apesar da apostasia, a falta de arrependimento ou a permanência no pecado, desde que eles tenham realmente aceito Cristo no passado. No ensino tradicional calvinista, se uma pessoa cai em apostasia ou não mostra mais sinais de arrependimento genuíno, isso é uma prova cabal de que essa pessoa nunca foi realmente salvo, e, em decorrência disso, que não faz parte do número dos eleitos
Artigo V - Que aqueles que são enxertados em Cristo por uma verdadeira fé, e que assim foram feitos participantes de seu vivificante Espírito, são abundantemente dotados de poder para lutar contra Satã, o pecado, o mundo e sua própria carne, e de ganhar a vitória; sempre – bem entendido – com o auxílio da graça do Espírito Santo, com a assistência de Jesus Cristo em todas as suas tentações, através de seu Espírito; o qual estende para eles suas mãos e (tão somente sob a condição de que eles estejam preparados para a luta, que peçam seu auxílio e não deixar de ajudar-se a si mesmos) os impele e sustenta, de modo que, por nenhum engano ou violência de Satã, sejam transviados ou tirados das mãos de Cristo [Jo 10.28]. Mas quanto à questão se eles não são capazes de, por preguiça e negligência, esquecer o início de sua vida em Cristo e de novamente abraçar o presente mundo, de modo a se afastarem da santa doutrina que uma vez lhes foi entregue, de perder a sua boa consciência e de negligenciar a graça – isto deve ser assunto de uma pesquisa mais acurada nas Santas Escrituras antes que possamos ensiná-lo com inteira segurança.

Estes artigos, assim definidos e ensinados, os Remonstrantes consideram acordo com a Palavra de Deus, tendendo a edificação, e, no que diz respeito a este argumento, suficiente para a salvação, de modo que não é necessário ou edificante acrescentar ou diminuir qualquer coisa.


sábado, 5 de outubro de 2019

Conceito de Wesley sobre os Metodistas


Para seu conhecimento: Palavras de Wesley sobre os metodistas
O Ofício Ministerial
John Wesley

'E ninguém toma para si esta honra, senão o que é chamado por Deus, como Arão'. (Hebreus 5:4)


1. Existem excessivamente poucos textos das Santas Escrituras que têm sido mais freqüentemente estimulados do que este contra os pregadores leigos que não são nem Sacerdotes, nem Diáconos, e ainda assim, tomaram para si pregarem. Muitos têm perguntado, "Como alguém se atreve 'tomar para si esta honra, a menos que ele seja chamado de Deus, como foi Arão?'". Alguns anos atrás, um clérigo, piedoso e sensato, publicou um sermão nestas palavras, em que ele se esforça para mostrar que não é suficiente ser interiormente chamado por Deus para pregar, como muitos se imaginam ser, a menos que eles sejam exteriormente chamados pelos homens enviados por Deus para este propósito, como Arão foi chamado por Deus, através de Moisés.

2. Mas existe uma falha grave neste argumento, tão freqüentemente quanto ele tem sido apresentado. 'Chamado por Deus, como foi Arão!'. Mas Arão não pregou, afinal: Ele não foi chamado para isto, tanto por Deus, quanto pelo homem. Arão foi chamado para ministrar nas coisas santas; -- para oferecer orações e sacrifícios; para executar o ofício de um Sacerdote. Mas ele nunca foi chamado para ser um Pregador.

3. Nos tempos antigos, o ofício de um Sacerdote e aquele de um Pregador eram conhecidos por serem inteiramente distintos. E, sendo assim, todos serão convencidos a traçarem o assunto imparcialmente desde o começo. De Adão a Noé, todos admitiram que o primogênito, em cada família, fosse, é claro, o sacerdote naquela família, em virtude de sua primogenitura. Mas isto não dava a ele o direito de ser um Pregador, ou (em uma linguagem bíblica), um Profeta. Este ofício não pouco freqüentemente pertenceu ao mais jovem ramo da família. Porque neste respeito, Deus sempre afirmou seu direito de enviar, através daquele a que Ele enviava.                                                                                                                                                 

4. Do tempo de Noé, para aquele de Moisés, a mesma observação pode ser feita. O mais velho da família era o Sacerdote, mas algum outro poderia ser o Profeta. Este, o ofício de Sacerdote, nós nos certificamos. Esaú herdou, em virtude de seu direito de primogenitura, até que ele profanamente o vendeu a Jacó por um prato de guisado de lentilhas. E isto foi o que ele nunca pôde recuperar, 'embora ele o buscasse cuidadosamente com lágrimas'. (Gênesis 25:30) 'E disse Esaú a Jacó: Deixa-me, peço-te, comer desse guisado vermelho, porque estou cansado. Por isso se chamou Edom. Então disse Jacó: Vende-me hoje a tua primogenitura'.

5. De fato, no tempo de Moisés uma mudança considerável foi feita com respeito ao sacerdócio. Deus, então, indicou que, em vez do primogênito, em cada casa, toda uma tribo pudesse ser dedicada a ele; e que todos que, mais tarde, ministraram junto a ele, como sacerdotes, pudessem ser daquela tribo. (Números 3:6) 'Faze chegar a tribo de Levi, e põe-na diante de Arão, o sacerdote, para que o sirvam'. (Números 3:12-13) 'E eu, eis que tenho tomado os levitas do meio dos filhos de Israel, em lugar de todo o primogênito, que abre a madre, entre os filhos de Israel; e os levitas serão meus. Porque todo o primogênito é meu; desde o dia em que tenho ferido a todo o primogênito na terra do Egito, santifiquei para mim todo o primogênito em Israel, desde o homem até ao animal: serão meus; eu sou o Senhor'. Assim, Arão foi da tribo de Levi. E assim, igualmente foi Moisés. Mas ele não foi um Sacerdote, embora ele fosse o maior Profeta que viveu antes que Deus trouxesse seu Unigênito para o mundo. Neste meio tempo, não muito dos levitas foram Profetas. E, se algum foi, fora uma mera coisa acidental.  Eles não eram tais como sendo daquela tribo. Muitos, se não a maioria dos Profetas (como nós somos informados através dos antigos escritores judeus), foram da tribo de Simeão. E alguns eram da tribo de Benjamim ou Judá, e provavelmente de outras tribos também.

6. Mas nós temos razão para acreditar que houve, em todas as épocas, duas espécies de Profetas. O ordinário, como Natanael, Isaias, Jeremias, e muitos outros, em quem o Espírito Santo veio de uma maneira extraordinária. Tal foi Amós, em particular, que disse de si mesmo: "Eu não fui Profeta, nem filho de Profeta. Mas fui um pastor: E o Senhor disse junto a mim, 'Vá, profetize junto ao meu povo Israel'".

Os ordinários eram aqueles que eram educados nas 'escolas de Profetas', um dos que estavam em Ramá, sobre o que Samuel presidiu. (I Samuel 19:18) 'Assim Davi fugiu e escapou, e foi a Samuel, em Ramá, e lhe participou tudo quanto Saul lhe fizera; e foram, ele e Samuel, e ficaram em Naiote (Nobe). Esses eram treinados para instruírem o povo, e eram os pregadores costumeiros em suas sinagogas. No Novo Testamento, eles são usualmente denominados escribas, ou 'os intérpretes da lei'.  Mas poucos, se alguns deles, eram Sacerdotes. Estes eram, por todo o tempo, uma ordem diferente.

7. Muitos homens cultos têm mostrado amplamente que o próprio nosso Senhor, e todos seus Apóstolos construíram a Igreja Cristã, tão proximamente quanto possível aos planos judaicos. Assim, o grande Sacerdote de nossa profissão enviou apóstolos e evangelistas para proclamarem as boas novas para todo o mundo; e, então, Pastores, Pregadores, e Professores, para construírem na fé as congregações que poderiam ser fundadas. Mas eu não acho que mesmo o ofício de um Evangelista fosse o mesmo que de um Pastor, freqüentemente chamado de Bispo. Ele presidia sobre o rebanho, e administrava os sacramentos: O primeiro o assistia, e pregava a Palavra, tanto em uma ou mais congregações. Eu não posso provar, de alguma parte do Novo Testamento, ou de algum autor dos três primeiros séculos, que o ofício de um evangelista deu a algum homem o direito de agir como um Pastor ou Bispo. Eu acredito que esses ofícios eram considerados tão completamente distintos um do outro, até os tempos de Constantino.

8. Na verdade, naquela má hora, quando Constantino, o Grande, chamou a si mesmo de Cristão, e despejou honrarias e prosperidade sobre os cristãos, o caso foi amplamente alterado. Logo se tornou comum para algum homem tomar a responsabilidade toda de uma congregação, com o objetivo de apoderar-se de todo o pagamento. Assim sendo, a mesma pessoa atuava como Sacerdote e Profeta; como Pastor e Evangelista. E isto gradualmente espalhou-se, mais e mais, através de toda a Igreja Cristã. Ainda assim, mesmo naquela época, embora a mesma pessoa usualmente cumprisse ambos esses ofícios, mesmo então, o ofício de um Evangelista ou Professor não significava aquele de um Pastor, a quem peculiarmente pertencia a administração dos sacramentos; nem em meio aos Presbiterianos, nem na Igreja da Inglaterra, nem mesmo em meio aos Católicos Romanos. Sabe-se que em todas as Igrejas Presbiterianas, as da Escócia, em particular, se licenciam homens para pregar antes que eles sejam ordenados, por todo aquele reino. E nunca se entendeu que esta nomeação para pregar deu a eles algum direito de administrar os sacramentos. Igualmente, em nossa própria Igreja, pessoas podem ser autorizadas a pregarem, sim, podem ser os Doutores da Divindade, (como foi o Dr. Alwood em Oxford, quando eu residi lá), que não foi ordenado, afinal, e, conseqüentemente, não teve direito de administrar a Ceia do Senhor. Sim, mesmo na própria Igreja de Roma, se um irmão leigo acredita que é chamado a ir para uma missão, como é chamado, ele é enviado, embora não seja sacerdote, nem diácono, para executar aquele ofício, e não o outro. 

9. Mas pode-se pensar que o caso agora, diante de nós, é diferente de todos esses? Indubitavelmente, em muitos aspectos ele é. Tal fenômeno tem agora aparecido, como não apareceu no mundo cristão, antes; pelo menos, não por muitas épocas. Dois jovens semearam a Palavra de Deus, não apenas nas igrejas, mas igualmente, literalmente 'pelo lado da rodovia'; e, de fato, em todos os lugares onde eles viram uma porta aberta, onde os pecadores tinham ouvidos para ouvirem. Eles foram membros da Igreja da Inglaterra, e não tinham o objetivo de se separarem dela. E eles aconselharam todos os que eram dela a permanecerem, embora eles se juntassem à Sociedade Metodista, porque isto não significava deixarem sua antiga congregação, mas apenas deixarem seus pecados. O clérigo iria para a igreja ainda. Os Presbiterianos, os Anabatistas [Membros de uma religião protestante dissidente que, na época da Reforma (séc. XVI), impunha a repetição do batismo a quem o recebera antes do uso da razão. Sustentavam que a Igreja era composta só dos santos (realmente convertidos) e insistiam na completa separação entre a Igreja e o Estado], Quakers [Membros de religião protestante, fundada no século XVII por Jorge Fox (1624-1691). Professada, sobretudo, nos Estados Unidos e na Inglaterra. Os quakers crêem na direção do Espírito Santo, não admitem sacramentos, não prestam juramentos, nem mesmo perante a Justiça, não pegam em armas, nem admitem hierarquia eclesiástica], ainda reteriam suas próprias opiniões, e atenderiam às suas próprias congregações. Terem um desejo real de fugirem da ira vindoura foi a única condição requerida deles. Quem quer, portanto, 'que temesse a Deus e operasse retidão' estava qualificado para esta sociedade(metodista).

10. Não muito tempo depois, um jovem, Thomas Maxfield, ofereceu-se para servir, como um filho no Evangelho. E, então, outro, Thomas Richards, e um pouco depois, um terceiro, Thomas Westell. Que se observe em que condições nós recebemos estes, a saber, como Profetas, não como Sacerdotes. Nós os recebemos totalmente e tão somente para pregar; não para administrar os sacramentos. E esses que imaginam que esses ofícios estão inseparavelmente reunidos, são totalmente ignorantes da constituição de toda a Igreja Judaica, assim como Cristã. Nem as Igrejas Católicas, nem as Inglesas, nem as Presbiterianas, alguma vez os consideraram assim. Do contrário, jamais poderíamos ter aceitado o serviço tanto do Sr. Maxfield, Richards, ou Westell. 

11. Em 1744, todos os pregadores Metodistas tiveram sua primeira Conferência. Mas nenhum deles sonhou que o ser chamado para pregar dera a ele algum direito de administrar os sacramentos. E quando esta questão foi proposta, 'sob que luz podemos considerar a nós mesmos?', foi respondido, 'Como mensageiros extraordinários, erguidos para estimular os ordinários, ao zelo'. Com este objetivo, uma das nossas primeiras regras dada a cada Pregador foi, 'você deve fazer aquela parte da obra que nós designamos'. Mas que obra era esta? Nós, alguma vez, designamos você a administrar os sacramentos; a exercitar o oficio sacerdotal? Tal objetivo nunca entrou em nossa mente; ele esteve muito longe de nossos pensamentos: E, se algum Pregador deu tal passo, nós devemos olhar para isto, como uma quebra palpável desta regra; conseqüentemente, como uma abjuração de nossa conexão.

12. Porque, supondo (o que eu nego extremamente) que o receber você, como um Pregador, ao mesmo tempo, deu autoridade para administrar os sacramentos; ainda assim, ele não deu a você nenhuma outra autoridade do que fazer isto, ou alguma coisa mais, onde eu designei. Mas eu designei você a fazer isto? Em lugar nenhum, afinal. Portanto, por esta mesma regra, você está excluído de fazer isto. E, ao fazer isto, você renuncia ao primeiro princípio do Metodismo que foi, totalmente e tão somente, pregar o Evangelho.  

13. Muitos anos depois que nossa sociedade foi firmada, é que alguma tentativa deste tipo foi feita. Eu apreendo que a primeira foi em Norwich. Um de nossos Pregadores lá cedeu a importunidade de algumas poucas pessoas, e batizou seus filhos. Mas, tão logo isto ficou conhecido, ele foi informado que não deveria ser, a menos que ele designasse deixar nossa conexão. Ele prometeu não fazer mais isto; e eu suponho que manteve sua promessa.

14. Agora, por quanto tempo os Metodistas mantiveram este plano, eles não puderam se separar da Igreja [Estabelecida]. E isto é nossa glória peculiar. Isto é novo sobre a terra. Revolva todas as histórias da Igreja, desde os primeiros tempos, quando quer que tenha existido uma grande obra de Deus, em alguma cidade ou nação particular, os objetivos daquela obra foi dizer ao seu próximo: 'Acudam a vocês mesmos, porque nós somos mais santos que vocês!'. Tão logo eles se separavam, ou eles se retiravam para o deserto, ou construíam casas religiosas; ou, pelo menos, facções formadas, nas quais ninguém era admitido, a não ser quando aprovado no julgamento e prática deles. Mas, com os Metodistas, é completamente o contrário: Eles não são uma seita ou facção; eles não se separaram de sua comunidade religiosa, na qual eles pertenceram a princípio. Eles ainda eram membros da Igreja, como tal eles desejaram viver e morrer. E eu creio que uma razão porque Deus tem se agradado de manter minha vida tão longa, é confirmá-los no presente propósito deles, de não se separarem da Igreja.

15. Mas, não obstante isto, muitos entusiastas dizem: 'Não, mas você se separou da Igreja'. Outros são igualmente acalorados, porque eles dizem: 'Eu não. Eu irei declarar a coisa cruamente como ela é'.

Eu abraço todas as doutrinas da Igreja da Inglaterra. Eu amo a sua liturgia. Eu aprovo seu plano de disciplina, e apenas desejo que ele seja posto em execução. Eu sabidamente não mudo qualquer regra da Igreja, a menos nestas poucas instâncias, onde eu julgo; e, até onde eu julgo, existe uma absoluta necessidade.  

            Por exemplo:

(1.) Como poucos clérigos abriram suas igrejas para mim, eu estou sob a necessidade de pregar fora.

(2.) Como eu não conheço algumas formas que irão se adequar a todas as ocasiões, eu estou freqüentemente debaixo da necessidade de pregar de improviso.

(3.) Com o objetivo de edificar o rebanho de Cristo, na fé e amor, eu coloco sob a necessidade de uni-los, e dividi-los em pequenos grupos, para que eles estimulem um ao outro, para o amor e boas obras.

(4.) Para que meus colaboradores e eu pudéssemos mais efetivamente assistirmos um ao outro, para salvar nossas próprias almas, e esses que nos ouvem, eu julguei necessário me encontrar com os Pregadores, ou, pelo menos, com a maior parte deles, uma vez por ano.

(5.) Nestas Conferências, nós fixamos os locais de todos os Pregadores para o ano seguinte.

Mas tudo isto não está separado da Igreja. Muito longe disto, quando quer que eu tenha oportunidade, eu atendo o serviço da Igreja, eu mesmo, e aconselho todas as nossas sociedades a assim fazerem.

16. Todavia, como a generalidade, mesmo das pessoas religiosas, não entende meus métodos de ação; aqueles que, por um lado, me ouvem professar que eu não irei me separar da Igreja, e, por outro, que eu me diferencio dela nessas instâncias, naturalmente, irão pensar que eu sou inconsistente comigo mesmo. Eles não podem deixar de pensar assim, a menos que eles observem meus dois princípios: Um, que eu não me atrevo a me separar da Igreja, o que eu acredito poderia ser um pecado fazê-lo; o outro, eu acredito, que seria um pecado não mudá-la nestes pontos acima mencionados. Eu digo que coloquem esses dois princípios juntos: Primeiro, eu não irei me separar da Igreja; ainda assim, em Segundo Lugar, nos casos de necessidade, eu irei modificá-la (ambos, eu tenho constantemente e abertamente declarado por mais de cinqüenta anos), e a inconsistência desaparecerá. Eu tenho sido verdadeiro à minha profissão desde 1730, até hoje.

17. 'Mas não é contrário à sua profissão permitir serviço em Dublin no horário da Igreja? Porque qual necessidade existe para isto? Ou que boa finalidade ela irá responder?'. Eu acredito que ela responde diversas finalidades boas, que não poderiam ser respondidas de alguma outra maneira:

A Primeira (estranho como pode soar) é impedir a separação da Igreja. Muitos de nossa sociedade estavam totalmente separados da Igreja; eles nunca a atenderam, afinal. Mas, agora, eles atendem devidamente a Igreja, todo primeiro domingo no mês.

'Mas não seria melhor que eles a atendessem toda semana?'. Sim; mas quem pode persuadi-los a isto? Eu não posso. Há vinte ou trinta anos, eu tenho me esforçado, mas em vão.

A Segunda é desacostumá-los de atender os encontros Dissidentes, que muitos deles atenderam constantemente, mas que agora abandonaram totalmente.  A Terceira é ouvir constantemente aquela doutrina profunda que é capaz de salvar suas almas. 

18. Eu espero que todos vocês que são vulgarmente denominados Metodistas possam considerar seriamente o que tem sido dito. E, particularmente, vocês a quem Ele tem autorizado chamar os pecadores ao arrependimento. Isto não significa, de modo algum, que vocês estão autorizados a batizarem, ou a administrarem a Ceia do Senhor. Vocês nunca sonharam com isto, por dez ou vinte anos, depois que vocês começaram a pregar. Vocês 'não buscarão', como Korah, Dathan, e Abiram, 'o sacerdócio também'.  Vocês sabem 'que nenhum homem deve tomar esta honra para si mesmo, a não ser aquele que é chamado de Deus, como foi Arão'. Oh! Mantenham-se dentro de seus próprios limites; estejam satisfeitos em pregarem o Evangelho; em 'fazerem o trabalho de Evangelistas'; em proclamarem a todo o mundo a bondade de Deus nosso Salvador; em declararem a todos que 'o reino do céu está à mão: Arrependam-se e creiam no Evangelho!'. Eu sinceramente aconselho vocês a que permaneçam no seu lugar; mantenham-se em seu próprio local. Vocês foram, cinqüenta anos atrás, aqueles que eram, então, Pregadores Metodistas; mensageiros extraordinários de Deus, não seguindo a própria vontade de vocês, mas tirando fora, não para suplantar, mas para 'estimularem' os mensageiros ordinários 'ao zelo'. Em nome de Deus, parem nisto! Através de sua pregação e exemplo, os estimulem ao amor e às boas obras. Vocês são um fenômeno novo na terra, -- um corpo de pessoas que, não sendo seita ou facção, é amigo de todas as facções, e se esforça para incentivar todos, na religião do coração, no conhecimento e amor de Deus e homem. Vocês mesmos foram, primeiro, chamados na Igreja Anglicana; e, embora vocês tenham e terão milhares de tentações para deixá-la, e trabalhem por conta própria, não se preocupem com elas. Sejam ainda homens da Igreja da Inglaterra; não joguem fora a glória peculiar que Deus tem colocado junto a vocês, ou frustrem o desígnio da Providência, a mesma finalidade para a qual Deus os tem levantado.

19. Eu acrescentaria algumas palavras a essas pessoas sérias que não estão ligadas aos Metodistas; muitas das quais são de nossa Igreja, a Igreja Anglicana. E por que vocês ficariam insatisfeitos conosco? Nós não causamos mal a vocês; nós não objetivamos ou desejamos afligir vocês em coisa alguma; nós abraçamos suas doutrinas; nós observamos suas regras, mais do que a maioria das pessoas no reino. Alguns de vocês são clérigos. E por que vocês, de todos os homens, estariam insatisfeitos conosco? Nós nem atacamos seu caráter, nem seus proventos; nós honramos vocês 'pelo amor de Deus!'. Se nós vemos algumas coisas que nós não aprovamos; nós não as publicamos; nós preferivelmente colocamos um manto sobre elas, e escondemos o que não podemos recomendar. Quando vocês nos tratam indelicadamente e injustamente, nós suportamos. 'Sendo ultrajados, nós abençoamos'; nós não retornamos o mal com o mal. Oh! Não permitam que sua mão esteja sobre nós!

20. Vocês que são ricos neste mundo, não nos considerem inimigos, porque nós dizemos a verdade a vocês, e, ela pode ser, de uma maneira mais completa e mais forte do que outras irão, ou se atreverão a ser. Vocês têm, portanto, necessidade de nós; inefável necessidade. Vocês não podem comprar tais amigos, a preço algum. Todo o seu ouro e prata não podem comprar tais. Façam uso de nós, enquanto vocês podem. Se for possível, nunca estejam sem esses que irão falar a verdade de seus corações. Do contrário, vocês envelhecerão nos seus pecados; vocês podem dizer para suas almas, 'Paz, Paz!', enquanto não existe paz! Vocês podem dormir, e sonhar que vocês estão no paraíso, enquanto vocês acordam no fogo eterno.

21. Mas quer vocês ouçam, ou quer vocês reprimam, nós, pela graça de Deus, seguiremos nosso caminho; sendo nós mesmos ainda membros da Igreja da Inglaterra, como nós fomos desde o início, mas recebendo todos que amam a Deus em cada Igreja como nosso irmão, e irmã, e mãe. E com o objetivo da união deles conosco, nós requeremos nenhuma unidade de opiniões, ou nos moldes de adoração, mas meramente que eles 'temam a Deus e operem retidão', como foi observado. Agora isto é extremamente uma coisa nova, não ouvida em qualquer outra comunidade cristã. Em que Igreja ou congregação além, através do mundo cristão, os membros podem ser admitidos nestes termos, sem quaisquer outras condições? Quem puder, que nos aponte uma. Eu não conheço uma, seja na Europa, Ásia, África ou América! Esta é a glória dos Metodistas e deles somente! Eles mesmos não são seita ou facção particular, mas recebem todos dessas facções que 'se esforçam para serem justos, e amarem a misericórdia e caminharem humildemente com seu Deus'.

Cork, 4 de Maio de 1789 [Sr. Wesley tinha 86 anos – Dois anos depois, em Março de 1791, ele faleceu]

            [Editado por George Lyons para a Wesley Center for Applied Theology.]

quarta-feira, 4 de setembro de 2019

AJUDA PARA CRENTES NO EVANGELIZAR


COMO  CONDUZIR  ALGUÉM  A  CRISTO

                                                       William W. Orr



VOCÊ  DESEJA UMA EMOÇÃO?...
·   Você já conduziu alguém a Cristo?
·   Você sabia que se trata de uma das maiores emoções desta vida?
·   Está você consciente do fato que ganhar almas é a vontade de Deus pra cada crente, e para você também?
·   Ora, sei que, em certo sentido, é um dever cristão procurar levar outras pessoas a Cristo. Mas creia-me que se trata de muito mais que um dever. É uma alegria e uma delícia. É uma aventura. É como observar Deus operar milagres. É uma canção em seu coração, molas em seus pés, sorriso em seu rosto.
·   Realmente há muitas outras profundas alegrias na salvação. Há o feliz alívio do peso de seu pecado. Há a comunhão diária com o Espírito Santo em sua vida. Há a contemplação de sua exaltada posição em Cristo. Isso para não falarmos da antecipação das milhões de maravilhas de sua próxima mansão celestial.
·   Mas a questão de ganhar almas parece ser a coroa de todas as outras. Medite só nisso... Você tem o privilegio de tomar a mão de um pobre pecador perdido e condenado, para colocar essa mão na poderosa mão de Cristo. Você está em uma posição estratégica de decisão entre os vivos e mortos. Você se torna um vaso de bênção nas mãos de Deus. Poderia haver algo mais emocionante? Ganhar almas pessoalmente adiciona doçura a tudo mais em sua vida cristã. É como a cobertura de um bolo. Proporciona uma satisfação pela qual você sempre ansiou. Você andará nas nuvens. Nunca os céus parecerão tão azuis. Nunca os passarinhos cantarão tão maviosamente.
·   Esta é a mensagem central da Bíblia, o coração do Evangelho. Essa é a razão da vinda de Cristo a este mundo e o propósito da vida cristã. Nenhum crente escapa a essa responsabilidade.
·   Talvez você pouco saiba sobre como ganhar almas para Cristo. Caso seja assim não fique desencorajado. Deus está pronto para lhe ensinar. O Espírito Santo veio para dirigí-lo. Nada, e eu quero dizer isso mesmo... Nada,  pode impedí-lo de ser um bem sucedido ganhador de almas, se... Se você propuser isto em seu coração. Deseja fazê-lo?


DEUS  ESTÁ  GRANDEMENTE  INTERESSADO...

·   Já considerou o tremendo interesse que Deus tem nessa questão de ganhar almas? Você sabia que alcançar homens, mulheres, meninas e meninos perdidos é o desejo supremo de Seu grande coração?
·   Alguns têm argumentado que Deus está muito ocupado com outras coisas. Por exemplo, com os deveres de controlar nosso vasto universo. Essas pessoas têm ensinado que Deus tem pouco ou nenhum tempo para preocupar-se com a propagação do Evangelho. Nada pode estar mais afastado da verdade do que isso.
·   Deus se regozija nas Suas obras. Todas as coisas que Ele criou são “muito boas”. Os céus declaram continuamente a Sua glória. O firmamento mostra diariamente as obras de Suas mãos. Mas todas essas coisas ou ainda, todas elas juntamente, não enriquecem o coração de Deus. Pois a preocupação de Deus é com as Suas criaturas – criaturas redimidas. Pois é com essas que Ele planeja viver eternamente.
·   Digo-o com cuidado, mas digo-o enfaticamente... O principal propósito de Deus é ganhar os perdidos. Por essa causa é que Ele deu Seu Filho Unigênito. Por essa causa é que o Espírito Santo veio ao mundo. Esse é o tema das escrituras. Essa é a mensagem do Evangelho.
·   Quão grande é Deus? Façamos uma pausa momentânea e consideremos. Sabemos que a nossa terra tem quarenta mil quilômetros de circunferência e quase treze mil quilômetros de diâmetro. É um amontoado bastante grande de matéria. Pesa cerca de seis setilhões de toneladas.
·   Entretanto, o longínquo sol que bilha sobre nós é muito, muito maior. Se ele fosse oco, seria grande bastante para conter alguns milhões de planetas do tamanho da nossa terra. Isso é alguma coisa, não é? Mas o sol é nada, comparativamente. Nosso sistema solar inteiro é apenas uma parte de uma galáxia estrelar, um sistema de estrelas. Esse sistema é inacreditavelmente vasto. Aqueles que conhecem o assunto dizem que existem (firme-se em seu assento) nada menos que cem bilhões de sóis, somente em nossa galáxia da Via Láctea.
·   Mas isso ainda não é tudo. Pois a nossa galáxia é apenas uma entre outros cem milhões de tais galáxias, algumas maiores e outros menores. E os astrônomos estão continuamente encontrando mais galáxias. É uma contagem ainda parcial.
·   E nosso Deus é o criador de tudo isso. Esse, pois, é o Deus que está vitalmente interessado em ganhar almas. Como posso saber que isso é verdade? Bem, vamos recuar um pouquinho.
·   No cumprimento do tempo determinado por Deus, Ele produziu e colocou nesta terra uma nova raça de seres, os seres humanos. A essas novas criaturas, Deus concedeu grande autoridade. Deviam ter domínio sobre todas as outras criaturas que Deus criara. E foi a essa criatura ainda que Deus proporcionou o inestimável dom de Sua comunhão (Gênesis 1e 2).
·   A história torna-se trágica neste ponto. Apesar de Deus ter dado grande e imensuráveis bênçãos aos nossos primeiros pais, eles corresponderam com baixa desobediência e rebelião. Pecaram gravemente contra Ele. E Deus, com um soluço em Seu coração, foi forçado a descarregar sobre eles o castigo sobre o qual lhes havia avisado (Genesis 3)
·   O homem tornou-se uma criatura decaída. Sua natureza se transformou em uma natureza má. Sua vida ficou repleta de pecado, e seu destino uma eternidade de tormentos.
·   Mas Deus continuou a amar os homens e, certo dia maravilhoso, enquanto todo o universo contemplava de respiração suspensa, Ele enviou Seu Filho Unigênito, Seu bem-amado, a este mundo, a fim de trazer a redenção e a reconciliação.
·   Parece impossível de acreditar, mas mesmo depois de uma vida de pureza e santidade absoluta, o mundo pôs as mãos no Filho de Deus e O crucificou numa vergonhosa cruz, mas Deus não poderia ser negado e Ele ressuscitou a Cristo dentre os mortos e proclamou o perdão por meio de Seu nome. Essa é a história relatada por Mateus, Marcos, Lucas e João, no Novo Testamento.
·   Mas há mais que isso.  Depois da ressurreição e ascensão de Cristo, Deus enviou a terceira Pessoa da abençoada Trindade, o Espírito Santo. E por que foi Ele enviado?
·   Trata-se realmente de boas novas. O ministério do Espírito de Deus é para dirigir a proclamação do Evangelho. Assim que uma pessoa é salva, o Espírito Santo passa a residir naquele coração purificado. Desse lugar Ele dirige a pessoa submissa, no importante privilégio de ganhar almas. Deixe-me dizê-lo claramente: A finalidade principal da vinda do Espírito Santo a este mundo é aplicar a obra de Cristo aos corações necessitados.
·   Você me entendeu? Este é o principal propósito de Deus. E, se Deus tem tanta compaixão pelas almas perdidas, nós também devemos ter.

QUALQUER  UM,   EM  QUALQUER  LUGAR...
·   Eis uma das maravilhas concernentes ao ganhar almas. QUALQUER UM pode fazê-lo. Tal é a graça de nosso Deus. A questão de ganhar almas não está reservada aos profissionais. Não é privilegio exclusivo do pregador, do evangelista, do missionário.  Certamente não é algo que favorece apenas alguma igreja ou grupo selecionado.
·   Não há indivíduo nascido de novo que não possa exercer esse direito. O rico não está limitado por sua riqueza. Ele pode ganhar almas. Não se nega esse direito ao pobre por causa da sua pobreza. Há vasto campo à sua disposição. O letrado pode testificar de Cristo e o indouto pode fazê-lo também.
·   As crianças podem conduzir outras crianças ao Salvador. Os jovens encontram maravilhosas e ilimitadas oportunidades entre outros jovens. As meninas podem ganhar outras meninas. Os moços podem procurar outros moços. Os mais idosos têm oportunidades com aqueles com quem se encontram. E Deus honra o trabalho de qualquer um. Como tudo é perfeitamente maravilhoso!
·   Além disso, não se esqueça: o campo para testificar é EM QUALQUER LUGAR. Não somente nas igrejas. Não somente nas reuniões evangelísticas, ou na Escola Dominical. Ora, o campo para testificar e ganhar almas é tão vasto quanto o mundo.
·   O homem de negócios pode falar aos outros no escritório, na loja, na fabrica. Homens (e mulheres) também podem ser salvos em suas roupas de trabalho, enquanto o ruído das máquinas ruge com toda força. O vendedor pode dizer uma palavra a respeito de Cristo, enquanto em seu percurso. O padeiro enquanto vende seu pão. O pescador, enquanto puxa seu peixe.
·   A própria dona de casa não se priva desse privilégio. Na maioria dos casos há uma sucessão de candidatos à salvação batendo à  porta dela. E, um após o outro, ela pode influenciá-los para Cristo.
·   O estudante pode falar a favor de Cristo na sala de aula, no campo de atletismo, no fórum. O trabalhador pode aproveitar seu tempo enquanto anda de ônibus ou outra condução. O trem é um campo fértil para o evangelismo. O avião oferece horas de conversa séria. O navio é lugar onde se pode dar muitos testemunhos.
·   Como nossas oportunidades são maravilhosas. A nenhum crente é negado esse privilégio. Nosso campo é o mundo. Nosso “produto” é garantido. Nossos “fregueses”, incontáveis.


A  QUALQUER  HORA  E  DE  VÁRIAS  MANEIRAS...
·   Testemunhar sobre Cristo é tarefa de todo  crente em qualquer tempo. Enquanto você estiver fazendo outras coisas, como edificar arranha-céus ou consertar sapatos para pagar as despesas, sua tarefa principal na vida é fazer sua vida útil para Cristo.
·   Todos necessitam de Cristo. “Por que todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus” (Romanos 3:23). Isso inclui aqueles com quem você tem contato diariamente. Por conseguinte, devemos estar sempre alertas, desde o momento em que nos levantamos pela manhã, até nos deitarmos à noite... Quem sabe quando o Espírito Santo vai orientá-lo para “testemunhar”?
·   Muitos crentes, infelizmente, deixam sua obra de ganhar almas para certos períodos de tempo especiais. Por exemplo, na igreja ou aos domingos pela manhã. Ou então em trabalhos evangelísticos. Não me compreenda mal. É bom fazer assim, mas o tempo de Deus é em qualquer tempo. Na esquina da rua, restaurante, no campo de futebol, debaixo do secador no salão de beleza. Seu primeiro “fruto” pode encontrar Cristo às dez da manhã, o segundo à meia-noite, outros no domingo, alguns na quarta-feira à tarde. Moral da história... Esteja sempre pronto.
·   As maneiras de testemunhar são inúmeras. Há a maneira devocional, como é claro. Talvez o Evangelho seja pregado de um púlpito, com o apelo no término do sermão e a seguir uma instrução inicial àqueles que respondem ao convite. Essa maneira até agora tem sido honrada por Deus.
·   Mas, há outras maneiras, igualmente eficazes. Por exemplo, estamos nos dias da rádio, da televisão e da INTERNET. Tem parecido bem a Deus abençoar de forma marcante esses novos meios. Também você pode aproveitar esses métodos.
·   Há igualmente a tão útil página impressa. O senhor seja louvado pela imprensa. Rapidamente produzem milhares de Bíblias, testamentos, folhetos, livros. E as histórias de conversões por intermédio da página impressa formam legiões. Participe desse método. Os folhetos também! Apenas um pedaço de papel contendo uma breve mensagem do evangelho. Entregue-os pessoalmente, coloque-os em suas cartas, deixe-os nos lugares onde o povo se reúne, jogue dentro dos automóveis. Podemos dizer com segurança que o número de pessoas no céu será aumentado por causa do ministério dos folhetos.
·   E não há tempo para nos referirmos a todos os meios. Cartas, telefone, redes sociais,  telegramas, propagandas, distintivos, faixas... Deus abençoa  todos esses métodos.

VOCÊ  ESTÁ  PRONTO  PARA  COMEÇAR?
·   Aqui temos um “princípio” importante. Ganhar almas é somente para aqueles que são verdadeiros crentes. Ninguém pode ganhar outros para Cristo se ainda não conhece a alegria incomparável e a liberdade da salvação.
·   Deus reservou esse alto e santo trabalho àqueles que por Ele já foram perdoados e purificados. Ele poderia ter dado essa santa tarefa a outros, como por exemplo, aos anjos. Mas não; somente aqueles que foram comprados por sangue e purificados por sangue são os escolhidos para levar as Boas Novas.
·   Há indivíduos que se presumem salvos. Supõem que por estarem vivendo em um país evangélico ou porque seus pais são salvos, que isso também é suficiente para eles. Outros argumentam que nunca fizeram alguma coisa verdadeiramente perversa, como o assassinato ou tráfico de drogas. Outros apontam para o fato de que oram regularmente ou lêem a Bíblia. E assim, para os tais, é um choque quando mostramos que a salvação não está essencialmente ligada a qualquer dessas coisas.
·   Nossa redenção é totalmente uma operação de Deus a favor do homem, e nunca uma operação do homem para com Deus. Se Deus ainda não transformou completamente seu coração e sua vida, você simplesmente não está salvo. Pois a salvação é uma vida nova, e não uma nova página da mesma vida. A salvação é uma dádiva  e não um plano de pagamento a prestações. É a revelação da graça de Deus e não a exibição da religião do homem.
·   Aqueles que têm sido verdadeiramente salvos certamente terão segurança da sua salvação. Há certos sinais inconfundíveis. Por exemplo, o alegre alívio do peso do pecado. É como tirar tremendo peso das costas de alguém. Ao lado disso surge um novo cântico no coração. Tudo parece novo. Nova vida, novo poder, novos alvos, novos amigos, novos inimigos.
·   Alguém que sai à procura do perdido, sem ter salvação para si mesmo, está agindo como se estivesse colocando a carroça adiante do boi. Essa elevada tarefa destina-se exclusivamente para os nascidos de novo.
·   Aqueles que querem ser ganhadores de almas deveriam sondar fervorosamente o estado espiritual de seus próprios corações. Há certeza absoluta da sua regeneração? Se há alguma dúvida você não deve prosseguir. Sua  tarefa agora é ajoelhar-se imediatamente e conhecer pessoalmente a Cristo.
·   Não estou perguntando se você está satisfeito com seu estado espiritual. A maioria de nós nos sentimos continuamente insatisfeitos. E é assim que deve ser. O plano de Deus para nós é que avancemos sempre.
·   Aqui temos o passo vital seguinte...
·   Para que alguém seja bem sucedido como ganhador de almas, resta outra questão. Deus pode usar a sua vida muito melhor se você se render a Ele. Isto é passar a ter Jesus como o Senhor da sua vida. E você lhe obedecer.
·   Como você já deve ter compreendido, quando o Senhor o salvou Ele o fez à base de graça completa. Quero dizer que Deus o fez sem exigir qualquer coisa em troca. Ele não disse...”Salvar-te-ei se te tornares um ganhador de almas”.  Não. Deus salvou sua vida tomando por base a morte de Seu querido Filho. Entretanto, certamente nos é ensinado nas páginas das Escrituras que a alegria, a paz, a satisfação permanente e o serviço frutífero são bênçãos oferecidas a todos os que se rendem a Ele (Salmos 37:5; Provérbios 3:5-6; Romanos 12:1)
·   A entrega da sua via a Deus é um passo muito sábio. Considere quão pouca sabedoria temos e compare-a com o que Deus sabe. Relembre de quão fraco somos. Compare isso com o poder de Deus. Seja sincero agora comigo. Quem é mais capaz de dirigir nossas vidas... Nós mesmos ou Deus?
·   É passo muito perigoso entregar a vida a qualquer um que não seja Deus. Mas não restam dúvidas sobre a habilidade de Deus, nem qualquer dúvida sobe Seu amor. Ele já demonstrou completamente e para sempre a profundidade do Seu amor.
·   E assim Deus, que é infinitamente sábio, sugere que entreguemos a direção de nossas vidas a Ele. Esse é um passo definido de nossa parte. Tão definido como a aceitação de Cristo como nosso Salvador.  É passar a tê-lo como Senhor, aquele que manda em você.  E como é que se faz isso?
·   Não há mistério sobre a questão. Abra sua Bíblia em Romanos 12:1-2. Leia esse trecho fervorosamente, com oração. Então fale com o Senhor sobre isso. Diga-Lhe que quer ser como o barro nas mãos do Oleiro (Jeremias 18:6; Romanos 9:20-23). Entregue-se sinceramente em Suas mãos. Seja sincero ao fazê-lo.
·   E então, dia a dia, relembre ao Senhor (e a você também) que você pertence a Ele. Resolva ficar sempre submisso a Ele. Tenha cuidado para não dar qualquer passo sem Sua sábia direção. Ande diariamente com sua mão na d’Ele.
·   Dessa forma Deus será capaz de pôr em obras o Seu plano relativo à sua vida. Especialmente no que se refere à porção daquele grande plano que fala da salvação dos pecadores (Marcos 16:15; 2 Pedro 3:9); Sua voz falará  continuamente a você. Sua mão estará sempre a lhe guiar. A entrega sincera do coração de alguém que se rende a Jesus como Senhor é o “começo de novos dias”. As provações se farão presentes, mas também haverá o poder de Deus para lhe sustentar. E as vitórias espirituais estão na ordem do dia.


SOBRE  O  "DIRETOR”
·   Tenho uma notícia muito alviçareira para os ganhadores de almas. Deus colocou o mais capaz dos Diretores sobre todo esse ministério. Esse diretor é de infinita habilidade e supremamente gentil. Não é outro senão o abençoador Espírito Santo de Deus (João 7:37-39). Na mesma noite de sua apreensão nosso Senhor falou sobre a vinda do Espírito: "E eu rogarei ao pai e Ele vos dará outro Consolador, a fim de que esteja para sempre convosco, o Espírito da Verdade" (João 14:16-17). “Quando Ele vier convencerá o mundo do pecado, da injustiça e do juízo” (João 16:8).
·   No dia de Pentecostes, conforme estava determinado, desceu o Espírito de Deus (Atos 2:1-4).  Aquele dia marcante viu uma demonstração do que viera fazer o Espírito Santo. A multidão foi sobrenaturalmente reunida, os crentes receberam poder de modo sobrenatural, e a pregação da mensagem por um homem que recebeu dons de Deus resultou em frutos para a eternidade (Atos 2:41).
·   Nenhum crente novamente nascido necessita estar pedindo pelo Espírito. O Espírito é uma gloriosa dádiva tanto do Pai como do Filho. Quando alguém é salvo, o Espírito Santo imediatamente estabelece residência naquele coração há pouco purificado, para ali habitar (1 Coríntios 6:19-20).
·   Desse ponto vantajoso, o Espírito dirige o crente em serviço que será útil tanto para o tempo como para a eternidade. Ele guia na preparação e no testemunho.  Ele torna a Bíblia tanto clara como preciosa. Ele cria profundo amor pelas almas dos perdidos.
·   Simplesmente não pode haver testemunho aceitável sem Ele. Nenhum pecador é convencido de seu pecado sem o ministério do Espírito. Nenhum ganhador de almas pode levar um pecador convencido aos pés do Cristo se não contar com a direção do Espírito. Ele é tudo quanto o ganhador de almas precisa.
·   Por mais triste que seja, há, entretanto, muitos crentes ocupados com outras coisas e por isso não dão ouvidos à voz do Espírito. Ora, Ele não força Sua vontade aos crentes  carnais. Esses perdem a oportunidade incomparável de fazer uma obra que dura para toda eternidade.
·   Fique certo, contudo, que o Espírito sempre falará bem alto para aquele que está pronto para ouvir. O Espírito não deseja que os crentes destaquem a sua pessoa. Pelo contrário, o seu ministério tem por finalidade exaltar a pessoa de Cristo (João 16:13-15). Consequentemente, o ganhador de almas que está cheio do Espírito Santo, fala constantemente sobre Cristo. Essa é uma marca que não engana.
·   O livro de Atos, no novo testamento é, particularmente, o padrão de comportamento e a norma para o ministério do crente nesta nossa dispensação. Em suas páginas encontram-se exemplos após exemplos da direção e poder que os primeiros crentes tinham por meio do Espírito Santo. Já mencionamos o dia de Pentecostes. Nessa ocasião efetuou-se uma transformação que abalou o mundo e  mudou o curso da História (Atos 2).
·   O Capítulo seguinte fala de dois discípulos que foram guiados a um aleijado necessitado, que foi gloriosamente salvo e curado. Mais, o resultado maior foi uma oportunidade de testificar do Cristo ressurreto perante todo o tribunal dos judeus. Isso novamente debaixo do poder do Espírito Santo (Atos 3 e 4).
·   Solene advertência é feita concernente à santidade do Espírito, no capítulo 5. Ali o terrível pecado de tentar mentir ao Espírito foi destacado pela morte súbita de dois crentes. Aqui, novamente, fica demonstrado que o Espírito Santo é Deus.
·   Os homens que deveriam liderar a Igreja Primitiva em serviço aceitável são escolhidos no capítulo seis. A característica mais importante que esses homens deveriam possuir era a de se acharem cheios do Espírito Santo (Atos 6:3-5).
·   O poder do Espírito na pregação é demonstrado na vida e na morte do primeiro mártir crente, o Estêvão. Tão grande era a sabedoria que o Espírito lhe proporcionara que ninguém lhe podia resistir (Atos 6:8-15).
·   O Capítulo 8 de Atos dá a continuação da maravilhosa história. O Espírito está sempre guiando, sempre concedendo sua energia, sempre testificando sobre Cristo. Aqui Ele usa uma perseguição que rebentara contra os cristãos, provoca reavivamento nas cidades circunvizinhas, como Samaria, envia um missionário a uma longa, mas proveitosa viagem e implanta o evangelho em um reino longínquo.
·   No capítulo seguinte o Espírito mostra as terras distantes necessitadas do Evangelho. Chamando gloriosamente um ferrenho inimigo do Evangelho, Cristo transformou o Saulo de Tarso no grande Apóstolo aos gentios. Este é imediatamente “cheio do Espírito” para o serviço (9:17) e todas as igrejas compartilharam dessa bênção (9:31).
·   E assim por diante se move o Espírito: algumas vezes acompanhado de terremotos e outras vezes com suave e doce voz. Nunca, entretanto, deixa qualquer dúvida sobre Quem é um grande Diretor da propagação do Evangelho. Os séculos também não vieram a causar qualquer mudança. Isso é o que Ele continua sendo até hoje. Louvemos a Deus.

TODOS  TÊM  UMA  NECESSIDADE...
·       Aqui temos grande incentivo para o ganhador de almas: Todas as pessoas no mundo têm uma necessidade tão urgente que somente o Senhor Jesus pode satisfazer.
·       A cor da pele não faz diferença. Nenhuma raça é excetuada dessa necessidade que todos têm de Cristo. O judeu precisa d’Ele tanto quanto o gentio; as raças negras tanto quanto as brancas; as multidões do oriente estão perdidas sem o evangelho. Cristo morreu pelo mundo e o mundo está perdido sem Ele.
·       Essa necessidade transcende até as barreiras religiosas. Neste mundo existem muitas religiões. O cristianismo não é uma religião. A essência de todas as religiões é o serviço humano aos deuses, por parte de seus seguidores.  Mas a essência da salvação por intermédio de Cristo é o que Deus livremente  oferece para fazer por toda a humanidade. Cristo não entra em competição com as religiões. Transcende-as completamente. A religião condena totalmente, Cristo salva completamente (Atos 4:12; João 14:6). Gente boa” também precisa de salvação. Nunca a vida caridosa ou as boas obras podem tornar-se um substituto da graça de Deus. Durante séculos homens e mulheres têm tentado aproximar-se de Deus à base de seu mérito ou valor pessoal. Alguns têm muito a oferecer e outros pouco. Mas viver bem, ser bom ou fazer boas obras, ainda quando em grande quantidade, nunca trazem vida. Deus simplesmente não salva a ninguém nessa base (Efésios 2:8-9; Tito 3:5).
·       Também ninguém é demasiadamente ruim pra ser salvo. Bem sabemos que o mundo está repleto de pecadores. Há ladrões, assassinos, adúlteros e combinações desses três, e mais ainda. Alguns têm pecado por longo tempo, outros somente durante algum tempo. Ninguém, entretanto, é demasiadamente pecaminoso para que o sangue de Cristo não possa purificar e perdoar completamente (1 Coríntios 6:9-11; Hebreus 7:25).
·       A ignorância da justiça que Deus exige não desculpará a ninguém. Alguns estão esperando, supondo, querendo adivinhar, presumindo que Deu acabará por salvá-los, seja de que maneira for.  Outros preferem arriscar o seu futuro. A respeito desses não há a mais leve possibilidade de esperança à parte da salvação que há em Jesus Cristo (Hb.9:27).
·       Também não há qualquer planejamento humano que valha, por melhor que seja. Se houver mortificação da Carne, ou subjugação do Espírito, nada disso terá valor. Obras e penitências não salvarão nem tampouco atos de misericórdia. Somente Cristo e Cristo somente. Cristo é a resposta.

UM   MODO  DE  SATISFAZER  ESSA  NECESSIDADE...
·       Quando o ganhador de almas está firmemente convencido sobre a necessidade urgente que o homem tem da salvação, então também deve chegar à inamovível persuasão de que Deus é capaz de satisfazer essa necessidade por meio do sacrifício que Ele mesmo proveu. Mas isso só pode vir por meio de Cristo. Ele é um meio provido por Deus e o único meio que Deus tem.
·       Alguns procuram a face de Deus, mas em outras bases. A opinião de alguns é que Deus aceita a oferta de qualquer um, contanto que essa oferta seja feita na sinceridade. Outros têm planejado vir a Deus baseados nos fervorosos esforços do homem.  Eles raciocinam assim: "contanto que uma pessoa se esforce, certamente Deus tem que aceitá-la". O veredito da Bíblia: NÃO.
·        Nem velas, nem terço, nem repetições de rezas, nem doações de presentes, nem peregrinações a lugares santos, nem tortura do corpo nos levam ao céu. Essas coisas não são o caminho para Deus.
·       Considere essas coisas com cuidado... Se houvesse qualquer outro meio pelo qual a humanidade pecaminosa pudesse salvar-se, com justiça certamente que Deus tê-lo-ia sabido. Se a humanidade pudesse salvar-se a si mesma, que necessidade haveria do Filho de Deus sofrer e morrer? Se a redenção pudesse ser efetuada por intermédio do caráter do homem, então Deus sem dúvida cometeu o maior equívoco possível quando mandou seu Filho querido para que pagasse a penalidade suprema.
·       Ouça-me... Há apenas um caminho. Primeiramente, o homem está morto em transgressões e pecados... não há base nem sequer para começar. O homem está condenado e perdido. Portanto, necessita de vida e essa vida só pode ser encontrada na morte de Cristo.
·       Jesus respondeu-lhe: Eu sou o caminho, e a verdade, e a vida; ninguém vem ao Pai senão por mim” (João 14:06).
·        E não há salvação em nenhum outro; porque abaixo do céu não existe nenhum outro nome, dado entre os homens, pelo qual importa que sejamos salvos” (Atos 4:12).
·       Quem não honra o Filho não honra o Pai que o enviou” ( João 5:23).
·       E se alguém não tem o Espírito de Cristo, esse tal não é dEle” (Romanos 8:9).
·       Aquele que tem o Filho tem a vida; aquele que não tem o Filho de Deus não tem a vida” (1 João 5:12).
·       Eu sou a porta. Se alguém entrar por mim será salvo” (João 10:9).
·       Um caminho apenas. Mas quão adequado é esse Caminho. Cristo é abundantemente capaz de salvar a todos, a toda a humanidade, ao mundo inteiro.


PREPARE-SE... LEIA...
·       É verdade que o testificar e o ganhar almas podem ser feitos por qualquer crente, ainda que seja bem novo na fé. Contudo, o conselho das Escrituras (2 Timóteo 2:15) e a voz da experiência se unem para exortar a todos aqueles que esperam ser largamente usados pelo Senhor, a preparar-se devidamente (1 Timóteo 4:13-14; 2 Timóteo 4:1-2).

·       Os que ganham almas devem aprender a ler muito. Primeiramente você deve ler a Bíblia. Leia-a para satisfazer a necessidade de seu próprio coração. Que sua alma se delicie na abundância de alimento espiritual (Jeremias 15:16).

·       Em seguida leia-a para adquirir munição para as batalhas. Essa parte é importantíssima. Ora, Satanás, que é seu arqui-inimigo, procurará opor-se com todo o seu poder, nessa questão de ganhar almas. Ele não pode tocar em sua salvação, porém procurará mantê-lo sem poder e desanimado em sua vida cristã. A Bíblia, pois, é a sua arma (Efésios 6:17).

·       Leia o Antigo Testamento. Em suas páginas você encontrará ótimo material ilustrativo. Ali, por exemplo, estão as respostas às grandes questões sobre o princípio do mundo, no livro de Gênesis. No livro de Êxodo e no resto do Pentateuco (os cinco livros de Moisés) você encontrará, entre outras coisas,  grandes lições objetivas sobre a vida do crente atual, nas peregrinações e acontecimentos dos filhos de Israel.

·       Josué é um emocionante livro de conquistas... Conquistas espirituais. Juízes um livro que declara a fidelidade de Deus a despeito do insucesso do homem. Primeiro e segundo Samuel, Primeiro e Segundo Reis, Primeiro e Segundo Crônicas... Ora, essas são as mais interessantes histórias que você poderia ler. São verídicas e encontram sua aplicação nos dias de hoje.  Procure conhecer essas histórias, cada uma delas.

·        Leia o Novo Testamento. Em média, para cada hora que você ler o Velho Testamento, leia duas horas do Novo Testamento. O Novo Testamento tem 27 livros. Procure conhecê-lo como você conhece a palma de sua mão. Leia todo o Novo Testamento pelo menos duas vezes por ano. Pense, analise, selecione. Procure conhecer os temas de cada um dos capítulos. Este Capítulo trata de tal assunto, aquele se refere a este tema, este outro analisa tal problema.

·        Leia a Bíblia com as idéias bem objetivas na mente. Procure conhecer os personagens, os incidentes, as doutrinas, as parábolas, a geografia, a história. Estabeleça perante si um alvo a alcançar e esforce-se por alcançá-lo. Não tenha medo de injuriar sua mente. O mais sábio dos homens que já apareceu usou apenas 10% de sua capacidade mental.

·        Essa preparação nunca será vã... Leia Mateus 24:35.

PREPARE-SE... MEMORIZE...

·       O salmista assim se expressa: “Escondi a Tua Palavra no meu coração para eu não pecar contra ti” (Salmos 119:11).  A memorização da Bíblia, porém, não somente freia o pecado, como também adiciona uma indispensável habilidade ao obreiro pessoal. É verdade, não pode haver trabalho pessoal eficiente e bem sucedido sem essa memorização.

·        Todos podem decorar. Para os mais idosos é necessário um pouco mais de tempo. Mas ninguém é incapaz de memorizar. Há vários métodos para fazê-lo. O mais antigo desses métodos é o da mera repetição. Outros escrevem os versículos em pequenos cartões, colecionando-os, para em qualquer oportunidade, puxá-los do bolso da bolsa e repassá-los na memória.

·       Procure sempre memorizar a referência também. Proponha-se a decorar as palavras exatamente como elas são. Lembre-se que você está tratando com a Palavra de Deus. Aquele que quiser decorar deve decidir memorizar cerca de 500 versículos escolhidos. Aqui temos uma lista para começar: - versículos que mostram:

·       Que somos pecadores: Isaías 53:6; Romanos 3:10; 3:23; 6:23; Isaías 64:6; Apocalipse 20:15; 21:8.

·        O que é o pecado: Isaías 57:20-21; Mateus 23:37-38; João 8:24; Gálatas 2:16; 3:10; Tiago 2:10; 4:17.

·       Como ser salvo: Isaías 1:18; Mateus 11:28; João 1:12; 3:16; 3:18; 3:36; 5:24; Efésios 2:8-9.

·       Quem nos salva: Marcos 10:45; João 1:29; 10:9; 14:6; Atos 4:12; Romanos 5:8; 1 Pedro 2:24

·       Resultados da salvação: João 10:28-30; Romanos 8:1; 1 Coríntios 6:19-20; 2 Coríntios 5:17; 1 João 5:11-12;  João 14:1-3; Efésios 1:3.

·        Como viver a vida cristã: Romanos 12:1-2; Gálatas 2: 20; Efésios 5:18; 6:1; Filipenses 4:13; 1 Tessalonicenses 5:17; 2 Timóteo 2:15.

·        Um bom plano é memorizar um versículo por dia. Você ficará tanto surpreso como maravilhado com seu progresso em um ano. Então, recorde, recorde, recorde. Quando for se deitar recorde esse versículo. Quando tiver algum tempo vago, volte a pensar nos mesmos . Peça a Deus que lhe ajude.

·        Seja honesto... Não pode haver sucesso sem isso.

PREPARE-SE... ORE...
·       A oração é simplesmente falar com Deus. É orar para testemunhar.  É falar com Deus uma questão sobre a qual Ele já demonstrou possuir interesse definido (2 Pedro 3:9). Mas considere sua incapacidade. Talvez você deseje fervorosamente ganhar outros . Mas é agora o tempo próprio para falar? Sabe você dizer o que deve ser dito e usar os versículos apropriados? É você aquele que foi apontado por Deus para levar essa alma a Cristo? Está certo disso? Ou falhará nessa importante tarefa? Você precisa ir com convicção.
·       Ah, mas existe a oração. Você pode falar com Deus a respeito dessa questão. Pode procurar qual é o Seu plano, Seu método, Seu tempo apropriado. Pode entregar a entrevista inteira em Suas graciosas mãos. Pode pedir ao Espírito Santo de Deus para tomar conta do assunto. Não pode haver almas ganhas sem oração; na realidade deve haver muita oração. Mais, você está em condições para orar?  Que é isso? É apenas estar no lugar de onde Deus pode ouvi-lo. E (eficazmente) responder-lhe. O que pode impedir você de estar em condições para orar? Muitas coisas. Pode haver algum pecado não confessado em sua vida. O remédio para essa condição é confessar o tal pecado (1 João 1:9).  Ou pode haver uma atitude contrária à entrega de seu coração a Deus.  O medicamento para isso é simplesmente entregar-se, render-se (Provérbios 5:5-6; Salmo 37:5; Romanos 12:1).
·       Realmente não há qualquer mistério sobre a prática da oração. É só orar. Ore com naturalidade esperando a resposta. Ore a respeito da questão de ganhar almas em suas meditações diárias. Então ore todas as manhãs entregando à direção do Espírito Santo todas as atividades do dia. Então, ao se oferecerem as oportunidades, continue em atitude de oração, enquanto vai fazendo suas entrevistas com os perdidos. A oração não tem substituto. Seja específico na sua oração. Mencione pessoas e lugares. Diga ao Senhor, definidamente o que você quer que Ele faça. Use linguagem simples em suas orações. Persista. Ore até que Deus responda.
·        Lembre-se, entretanto, que Deus sabe qual o tempo melhor para responder. Quando você deixar a questão perante Seu trono da Graça, então descanse confiadamente que Ele lhe responderá no tempo próprio. Não fique impaciente.
·        Estude estas passagens que falam sobre oração: Filipenses 4:6-7; Mateus 6:5-15; 1 Pedro 5:7;  1Tessalonicenses 5: 17; Romanos 8:26;  Hebreus 8:1

PREPARE-SE... EXPERIMENTE...

·       A vida cristã é um crescimento. Não crescemos até o ponto de alcançá-la, pois esse é um milagre operado pelo próprio Deus (João 3:3). Mas crescemos nela. Começamos como bebês em Cristo (1 Coríntios 3:1) e crescemos até chegar a ser gigantes espirituais (2 Pedro 3:18; Efésios 4:15).
·       Assim também, nessa questão de trabalho evangelístico pessoal é natural que, a princípio, haja alguma inexperiência, alguma timidez, algum receio.
·        Deus, porém está envolvido no seu caso, pois, em primeiro lugar, esse é Seu trabalho. Por conseguinte, deveríamos começar de forma limitada e ir progredindo conforme ganhamos experiência.
·        Observe os outros enquanto testificam de Cristo. Note particularmente a sua maneira de se aproximarem das pessoas, como dão início ao assunto, como são hábeis em lançar a rede. Peça sugestões ao seu pastor ou líder espiritual. Quase todos os ganhadores de almas sentem certa hesitação no princípio. Boa maneira de vencer essa timidez é começar a falar às crianças. Nesse caso é muito fácil testificar. A criança é uma vida fácil de se lidar. Ela crerá completamente no que você disser. Aceitará prontamente o que você lhe recomendar. Pode ser levada à vida eterna com quase nenhum esforço de sua parte.
·        Não subestime o valor da conversão de uma criança. Alguns acreditam que a conversão de uma criança tem muito mais valor que a conversão de um adulto. Pois quando uma criança é salva pode-se contar com ela uma vida inteira, ao contrário de um adulto (Mateus 18:1-3).
·       Leia livros que falem sobre o trabalho evangelístico pessoal. Poderá achar esses livros em qualquer livraria bíblica. Ali você encontrará exemplos emocionantes de como muitas almas têm sido levadas a Cristo.  Vá anotando, à medida que ler e entender as técnicas usadas por aqueles que ganham almas com sucesso.
·        Procure aumentar sua habilidade de pensar e arrazoar (argumentar). Boa maneira de conseguir isso é ensinar aos outros. O processo de ensinar segura a verdade em sua mente como nada mais pode fazê-lo. Pois ao ensinar sua mente, boca e ouvidos cooperam na entrega da mensagem. Tenha o firme propósito de que os outros estejam recebendo.  E assim todo seu corpo se esforça. E apesar de ser bom ensinar os adultos, pode ser melhor começar com as crianças.
·        Não se desencorajar com os aparentes insucessos iniciais e temporários. Pelo contrário, quando não houver resultado, analise o que você falou. A falta foi sua? Teria usado métodos errados? Dependeu demais dos seus esforços humanos? Procure aprender a lição contida em algum aparente insucesso. Peça a Deus que faça dessa lição mais um degrau para seu progresso nessa questão. O mais eficaz dos obreiros pessoais não é sempre, imediatamente, um sucesso. Pelo contrário, os mais eficientes ganhadores de almas na maior parte foram muito falhos no princípio.

AUXÍLIOS  PESSOAIS...

·       Certamente você deveria parecer o mais atrativo possível. Não me compreenda mal. Eu sei que Deus pode usar qualquer um e qualquer coisa, até mesmo a queixada de um jumento. Não obstante, deixe que sua aparência esteja de acordo com a importância da mensagem que você tem. Para os homens: que sua principal característica, nesse ponto, seja a boa aparência, sem exagero. Quando o caso, que sua gravata esteja no lugar próprio e suas calças bem passadas. Dê atenção às unhas das mãos e nunca se esqueça da higiene pessoal. Conserve-se bem barbeado e mantenha uma atitude inteligente.  Ainda mais, cuidado com o mau hálito. Para as moças, a chave é o atrativo modesto. Que seu vestuário seja de bom gosto e decente. (Sobre o assunto de pintura, a resposta é usar com tanta habilidade que passe inteiramente despercebida). Não permita que qualquer coisa que esteja vestindo venha a distrair a atenção de seu principal objetivo - atrair almas a Cristo.
·        Use seu melhor sorriso. Isso servirá de vitrine para o “produto” que você tenciona vender. Os homens buscam ansiosamente observar a felicidade que se esconde no íntimo. Se Cristo é capaz de satisfazer suas necessidades, esse fato deveria transparecer em seu rosto.
·       Nunca deixe de carregar todo o material necessário em seu bolso ou bolsa. Leve seu Novo Testamento como um hábito (Há belas edições pequenas). Traga sempre à mão um lápis ou uma caneta. E também uma caderneta de anotações onde você possa escrever o nome e endereço do interessado. Além disso, você precisará de um evangelho de João ou de um Novo Testamento para pôr nas mãos do recém-convertido.
·        Seja zeloso sobre o assunto. Que o Senhor nos livre de considerar como coisa de somenos a questão de ganhar almas. Nunca enfrente o trabalho pessoal como se fosse um “profissional”. Nada poderia ser mais mortal para o seu sucesso. Que a mais profunda a sinceridade se entremeie em cada uma de suas frases. Pois se trata de um trabalho para toda a eternidade. É vida ou morte.
·       Cuidado com os botões ou distintivos que usar no seu paletó ou vestido. Algumas pessoas deixam de receber a mensagem porque o obreiro pessoal traz consigo algum distintivo de um clube ou partido político. Se desejar usar algum distintivo em sua lapela, que seja de tal modo que aponte a Cristo.
·       Lembre-se  que você é representante do Rei dos reis. Que sua aparência e seu propósito sejam sempre tais que O honrem e que O apresentem como Ele é. Haverá aqueles com quem você entrará em contato,  que  aceitarão ou rejeitarão a Cristo, dependendo do modo pelo qual você testificar. Ou seja, o modo como você apresenta a Cristo influenciará a aceitação da mensagem.

 AUXÍLIOS PARA TESTEMUNHAR...

·       Um problema básico é como atrair a pessoa. Muitos obreiros usam distintivos pequenos nos seus vestidos ou paletós. O distintivo em forma de “?” (interrogação), por exemplo, tem sido muito usado. É simplesmente um adjetivo que traz uma interrogação. Quando as pessoas vêem, ficam dominados por curiosidade. E assim perguntam o que significa aquilo.  A resposta pode ser tal que se adapte a quase todas as situações. Pode-se explicar: “a pergunta é: já ouviu as boas novas?” ou: “ você sabia que algum dia eu reinarei com Cristo ?” ou “que lugar está dando a Deus em sua vida?”  Ou ainda: “quanto tempo faz desde que freqüenta a igreja”?
·        Isto será o início do seu testemunho. Ha outros distintivos também. Outros distintivos trazem inscrição: “Jesus salva” ou “Cristo é a Resposta”. A opinião universal daqueles que conhecem o assunto é que os distintivos fazem bom trabalho. Todo obreiro pessoal que deseja realmente ganhar almas deveria estar familiarizado com os folhetos, que são uma folha de papel contendo uma breve mensagem aplicável à necessidade do indivíduo. Modernamente há folhetos bem impressos e atraentes à disposição dos interessados. Alguns são impressos com cores bem contrastadas. Escolha os que são bem escritos e de acordo com a Escritura. Alguns têm uma página ou duas.  Outros vão de dez a doze páginas. Mas não há dúvida de que existem multidões que foram influenciadas e ganhas para Cristo por intermédio dos folhetos.
·        Alguns obreiros distribuem grande número de folhetos. Dão um folheto a todas as pessoas com quem se encontram. Outros conservam apenas uma quantidade selecionada no bolso ou em casa, para as ocasiões oportunas. A estratégia depende também do folheto. Às vezes o folheto é apenas um pretexto para se iniciar uma conversa. Quando não há tempo para isso, o folheto deve conter uma mensagem clara e auto-compreensível.
·        Grande auxílio ao trabalho de testemunhar também é o Evangelho de João impresso. Tem sido distribuído aos milhões. Especialmente úteis são aquelas edições que trazem instrução sobre como devemos receber a Cristo. Seu valor aumenta por serem tão baratos.
·        Em certos lugares sugiro auxílios tais como faixas para serem postas nos pára-choques dos automóveis, ou versículos colocados acima das placas dos carros. Essas idéias, se aplicadas, devem ser bem feitas.
·       Outra idéia que os crentes poderão aproveitar é a colocação de faixas em suas próprias propriedades, chamando a atenção para a necessidade que o mundo tem de Cristo. Nesse caso é preciso ter cuidado para não ofender os vizinhos com esses letreiros.
·        Podemos ainda pensar em dezenas de outros auxílios. Todos esses métodos têm o propósito de “tirar a frieza” da conversa com aqueles que planejamos evangelizar.  Peça ao Senhor sugestões concernentes ao seu problema particular  e como conseguir resolvê-lo.


"NEGATIVAS"  IMPORTANTES...

·       Nunca entre em controvérsia. Essa é a forma mais certa de perder. Talvez não de perder na argumentação, mas de perder a pessoa. Seu objetivo é ganhar ele ou ela para Cristo. Por isso, quando parecer que a discussão está pronta para começar, evite-a gentil, mas firmemente e impressione seu ouvinte com o ponto muito mais importante de sua relação vital com Cristo. Não fale de maneira a diminuir outras igrejas ou cultos. Não faça comparações com outros grupos. Que sua ênfase toda seja sobre a suprema necessidade do indivíduo, pertença ele a algum grupo religioso ou não. Nem ao menos procure demonstrar a superioridade da sua igreja ou denominação.
·        Lembre-se tão somente que aquela pessoa é um pecador perdido, que necessita desesperadamente do Salvador. E que Cristo é suficiente para isso.
·        Mantenha a calma a qualquer custo. Ocasionalmente terá de cruzar com cínico, com os críticos, com os que tudo sabem, com sofisticados. Essas pessoas estarão ora querendo criticar, diminuir ou tão somente desprezar. Talvez escarneçam de sua fé e se riam de seu Senhor. Não permita que isso lhe perturbe, nem responda com a mesma moeda. Sabe-se que esses escarnecedores às vezes têm mudado o tom. Deus tem suportado esse escárnio por séculos e Ele continua amando ao mundo. Cristo se sujeitou a zombarias quase insuportáveis, mas nada respondeu.
·       Não se apresse. O negócio é importante. Mas que ocasionalmente você encontrará a verdade de Deus despedaçando as crendices e superstições dos séculos. Apesar de a Verdade ser para você clara como um cristal, pode acontecer que a mesma não fique imediatamente clara para aquele com quem você está tratando. Tenha paciência. A recompensa de uma alma novamente nascida vale a pena e supera qualquer coisa.
·       Não deixe a pessoa mudar de assunto.  Vigie a conversa. Todos os esforços serão feitos pelos entrevistados para mudar de assunto, já que falar de salvação incomoda.  Satanás vai tentar agir. Seu amigo pecador protestará dizendo que existem hipócritas na igreja. Em resposta, concorde com ele, dê um sorriso e lembre-lhe  que Cristo não é hipócrita. Ele procurará esquivar-se sugerindo que a baleia não pode ter engolido Jonas, porque a garganta das baleias é pequena demais. Nenhum argumento você deve trazer neste ponto - há baleias cuja garganta é realmente muito pequena - mas a que engoliu Jonas foi um peixe especial que Deus preparou e, a despeito disso, Deus o ama e por ele Cristo morreu.
·        Não misture os assuntos. Reserve a questão do batismo ou de ser membro de uma igreja para algum momento mais tarde. Conserve o sentido daquilo que é ultra importante... A salvação individual. Haverá tempo bastante, mais tarde, para falar sobre os passos subseqüentes. Não falhe neste ponto vital. Também não fale de você, a não ser que seja imprescindível.  Caso contrário, evite falar de você ou ficar dando opinião. O assunto é Deus e o pecador.

"AFIRMATIVAS"  IMPORTANTES...

·       Use sua Bíblia. Mantenha-a em suas mãos e refira-se a ela continuamente. Tudo quanto disser, acompanhe com essa expressão: A Bíblia diz que”.  Ao abordar alguém, permita-lhe ler alguns versículos também. Pergunte-lhe... “que é que diz este versículo?” ou: “Em que é que isso lhe diz respeito?”  Lembre-lhe que a Bíblia é a palavra garantida. O que você disser pode ser importante ou não. Mas o que Deus diz é importantíssimo.
·       Mantenha-se sempre gentil.  Conserve calma sua voz. Use um sorriso.  Porque não é a sua habilidade ou sua ênfase, e sim o poder do Espírito Santo de Deus que faz o trabalho. Deixe que o Espírito de Deus trabalhe por seu intermédio. Não O impeça obstruindo o seu caminho, falando de você.
·       Interesse-se pelo caso que tem em mãos. Aquele com quem você está tratando talvez queira desabafar um pouco.  Encoraje-o a falar. Mostre interesse pelo seu problema.  Lembre-se que é uma vida eterna que está em jogo.
·       Costuma dar melhores resultados o fato de que você trabalhe com aqueles que fazem parte do seu grupo de idade. Se for uma jovem, então deve ser evangelizada pelas jovens. Os rapazes entre os rapazes. Para as pessoas de mais idade deve haver um obreiro mais amadurecido. Para os jovens, caso haja algum jovem sendo treinado para isso, o ideal é um jovem também. Entretanto, nem sempre é possível que seja assim. Se tiver que trabalhar com alguém que está fora do seu grupo de idade ou sexo, deve pedir ao Senhor que lhe dê sabedoria especial.
·        Trabalhe apenas com uma pessoa de cada vez. Se houver outros com quem tenha que tratar, o melhor é pedir que espere um pouco até que você termine de falar com a pessoa que tem em mãos.
·        Como você já deve ter compreendido, essa questão de salvação é um assunto particular. É o coração de alguém que se está abrindo. Alguns não têm vindo a conhecer a Cristo porque não lhe falaram a sós sem que outras pessoas ouvissem. Aponte para Cristo continuamente. Fale em Seu nome muitas vezes e muitas vezes. Exalte-O em toda a beleza de Seu sacrifício de amor. Fale de seu próprio amor por Ele. Relembre ao interessado o admirável amor que Cristo lhe devota.
·       Ore  continuamente.  Mas não feche os olhos.  Mesmo quando você estiver falando ou lendo as Escrituras, que seu coração esteja rogando a Deus para que Ele demonstre Sua graça na vida que tem à sua frente. Silenciosamente peça ao Senhor que lhe dê os versículos apropriados. Peça a seu pai Celestial que derrote as tentativas do inimigo para impedir a salvação daquela alma.  Ore com seu entrevistado também.  Mas em primeiro lugar pergunte-lhe se ele assim deseja. Ore para que venha a salvação, que ela seja real, cheia de alegria. É aconselhável que a oração seja feita em voz alta.

QUE  É  SALVAÇÃO?...
·       É um milagre. É Deus quem toma um pecador e o torna um de Seus filhos Legítimos, herdeiro dos céus. Trata-se da coisa mais extraordinária em todo o tempo e pela eternidade (2 Coríntios 5:17).
·       O  homem é realmente um perdido. Não se trata apenas da questão de que o homem se perderá por ocasião da morte. Agora mesmo ele não tem esperança e é um impotente em si mesmo. Não há o menor indício de chance para que o homem possa vir a salvar-se a si próprio. De fato o homem acha-se espiritualmente morto em seu estado natural (Efésios 2:1).
·       O que todos precisam é de vida, que é um milagre. Cristo é a nossa vida. (João 14:6). É um nascimento, somente que se trata de um nascimento espiritual.  Mas é tão real como o nascimento físico. E assim como o nascimento físico nos traz à família de nossos pais, igualmente o nascimento espiritual nos traz à família de Deus (João 3:3-7).
·       A salvação é exclusivamente o trabalho de Deus a favor dos homens. É Deus intervindo na vida de uma pessoa, produzindo nela uma transformação, uma metamorfose. Aquele que era um perdido, um condenado, um pecador que merecia o inferno (Romanos 3:10-20), agora se torna um herdeiro de Deus, perdoado, justificado, vivo para todo sempre (Romanos 5:1; 8:1; 8:35-39).
·       A salvação é básica ao extremo. A natureza inteira do homem é transformada. Até então aquela natureza era egoísta, desonesta, arrogante, escrava das paixões e do orgulho. Agora a pessoa sabe que todas as coisas são novas (2Co.5:17). Agora ama aquelas coisas de Deus que antes aborrecia. Ela tem novos propósitos em sua vida, novas razões para viver, novo poder para testificar de Cristo, nova esperança a respeito da eternidade.  De dentro para fora houve uma mudança completa. Somente Deus pode fazer tudo isso.
·       É fácil verificar a diferença ente a reforma e a regeneração.  Como na obra de uma casa, na reforma são viradas apenas algumas páginas. Alguém espera e promete fazer melhor;  Ela é sincera, mas a pessoa não sabe  como  fazer.  Só sabe que quer melhorar.  Contudo, quando a pessoa resolve mudar a si própria,  não fica resolvida a questão dos pecados e transgressões passados.  Eles ainda estarão presentes para condená-la.
·       Mas quando Deus salva e regenera, resolve completamente todo o nosso passado. Todos os nossos pecados, e quero dizer todos mesmo (1 Coríntios 15:3), são tratados. Os problemas do presente são colocados na Poderosa mão de Cristo. E o futuro é garantido em Suas promessas cheias de graça e não falham (João 10:28-30; 14:1-6). A pessoa tem apenas que ter certeza de que nasceu de novo e não apenas se modificou religiosamente. E nós vamos ajudar nisso.
·       Podemos ver a magnificência da salvação? Podemos compreender que essa é a mais transcendente realização de Deus? Trata-se de algo que Deus planejou para durar por toda a eternidade.

COMO  ALGUÉM  É  SALVO? ...

·       A maioria das pessoas não se surpreenderia se a salvação fosse condicionada ao pagamento de grandes somas de dinheiro, ou a uma vida inteira de serviço completo, ou mesmo condicionada a sofrimentos corporais incontáveis, como flagelos para se merecer a salvação. Mas nenhuma dessas condições é  verdadeira. A salvação é gratuita, G-R-A-T-U-I-T-A.
·       Deus oferece os incomparáveis benefícios dessa transformação maravilhosa e inacreditável, contanto que o homem simplesmente a aceite. Nas páginas do Novo Testamento lemos por 115 vezes que a dádiva da salvação é dada àqueles que crêem.  Mas os que crêem em que? Que crêem nas palavras de Deus. Que crêem que Deus quer dizer realmente o que está dizendo. Que crêem que Deus fará realmente aquilo que Ele promete fazer.  Considere os seguintes versículos:
·       "Mas a todos quantos O receberam deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus, a saber, aos que crêem no seu nome" (João 1:12).
·       "Para que todo o que nEle crer tenha a vida eterna” (João 3:25).
·       "Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu filho unigênito para que todo aquele que nEle crer não pereça, mas tenha a vida eterna" (João 3:16).
·       "Quem nEle crê não é julgado” (João 3:18).
·       "Por isso quem crê no filho tem a vida eterna" (João 3:36).
·       "Em verdade, em verdade vos digo: quem ouve a minha palavra e crê naquele que me enviou, tem a vida eterna, não entra em juízo, mas passou da morte para a vida" (João 5:24).
·       "Quem crê tem a vida eterna" (João 6:47).
·       "Quem crê em mim, como diz a Escritura, do seu interior fluirão rios de água viva" (João 7:38).
·       "Quem crê em mim, crê não em mim, mas naquele que me enviou" (João 12:44).
·       "Esses, porém, foram registrados para que creiais que Jesus é o Cristo, o Filho de Deus e para que, crendo, tenhais vida em Seu nome" (João 20:31).
·       "Crê no Senhor Jesus e será salvo" (Atos 16:31).
·       "Pois não me envergonho do Evangelho, porque é o poder de Deus para a salvação de todo aquele que crê" (Romanos 1:16).
·       "Porque com o coração se crê para justiça". (Romanos 10:10).

QUE É CRER? ...

·       Não é mera aceitação intelectual. Ninguém acredita em Cristo da mesma maneira que acredita em D. Pedro I, Santos Dumont ou Rui Barbosa. Ninguém duvida que essas pessoas viveram e  realizaram determinadas coisas. Mas nunca somos convidados a pôr nossa confiança em tais pessoas para sempre. Crer em Cristo é receber a Ele e a tudo quanto Ele é no mais íntimo do nosso ser. Recebemo-Lo em nossas vidas para sempre. Resolvemos firmemente que nunca nos separaremos. Aceitamos tudo quanto Ele é, apresentamos a Ele tudo quanto somos.
·       Talvez a melhor ilustração para compreendermos o que seja crer em Cristo é quando um jovem casal entra nas relações matrimoniais. Pergunta-se ao noivo se ele aceita a noiva como sua... Para tê-la e mantê-la... Até que a morte os separe. Sua resposta é “sim”.  Ele acredita em sua noiva. Aceita-a para o resto da vida. Ela é dele e ele é dela.
·       Crer em Cristo é confiar nele totalmente, para todas as necessidades. É confiar n’Ele para perdão dos pecados. É confiar n’Ele para proteção e provisão por toda a vida. É depositar confiança n’Ele para morada celestial. Toda confiança fica centralizada n’Ele.
·       Crer em Cristo é desconfiar totalmente de si mesmo. É não pôr a menor confiança em quem se é ou no que se tem feito. É renunciar completamente a qualquer bondade ou mérito que porventura possa ter.  Fica-se dependendo totalmente do mérito e do valor de Cristo somente.
·       Crer em Cristo é dar-Lhe o lugar que as Escrituras Lhe dão. Aceita-se o maravilhoso relato do Seu nascimento virginal. Acredita-se completamente na história de Sua vida diferente e de Seus feitos inigualáveis. Todos os milagres de Sua pessoa são aceitos por você. Vê-se na morte dEle a resposta perfeita para o pecado. Sabe-se, sem hesitação, que Ele ressuscitou triunfalmente da sepultura.
·       Quando alguém crê em Cristo, não quer dizer apenas que Lhe dá o lugar de maior homem que já andou neste mundo. Realmente Ele o é. Porém ainda é muito mais que isso. Ele é o próprio Filho do Deus vivo que se revestiu por algum tempo de carne humana. Ele é Deus, a segunda Pessoa da abençoada Trindade, que morreu pelos pecados do mundo.
·       A crença provém do coração. Entregamos todo nosso ser a Ele. Confiamos n’Ele em todas as coisas. Nada é difícil demais para Ele. Nós agora somos totalmente dEle.

SALVAÇÃO  NÃO  É...

·       Arrependimento. O arrependimento é uma mudança de mente. Este pode ser acompanhado por tristeza ou lágrimas. Pode incluir um desejo de melhorar. Certamente implica numa insatisfação com a vida antiga. Pode levar à salvação. Mas, em si mesmo, o arrependimento nunca substitui a salvação. Não adianta apenas se arrepender dos pecados passados. Tem que crer em Jesus.
·       Confissão. O pecado é um verdadeiro peso no coração do pecador e a confissão pode aliviar a carga. Geralmente, quando o pecador enfrenta diretamente a sua triste condição perante Deus, isso produz um dilúvio de confissões. Isso ajuda, mas não deve ser confundido com a salvação. Com grande frequência a confissão pode ser levada à salvação, mas não é a salvação. Se a pessoa chora, se arrepende e confessa os seus pecados passados e não é levada a crer em Jesus, ficou só no batismo de João Batista. Nós temos que ajudar a levá-la a crer em Jesus.
·       Restituição.  A restituição é consertar certos erros. É coisa excelente a fazer e, invariavelmente, quando alguém é salvo, tem o desejo ardente de corrigir aquilo que é desonesto ou impróprio. Assim, a restituição se torna um dos frutos da salvação, mas, em si mesma não é salvação.
·       Ser membro de uma igreja. Todo crente deve tornar-se membro da igreja local. Faz parte do plano de Deus e é vital e necessário na vida da pessoa que se torna crente. A igreja fornece comunhão e também apoio religioso, mas sem que a pessoa creia em Jesus, nada mais pode oferecer. Mas, ser membro de uma igreja é só para aqueles que já deram provas claras de serem indivíduos salvos, que nasceram de novo. Apenas ser membro de uma igreja não garante a salvação e nunca deveria ser confundido com ser nascido de novo, membro do corpo de Cristo.
·       Expressões exteriores. Geralmente, nas reuniões dos crentes, há os apelos para que o pecador indique sua aceitação de Cristo, com o levantar de uma das mãos, vir à frente,  assinar um cartão, ou repetir certas palavras. Todas essas coisas são úteis e auxiliam na decisão, mas nunca devem ser confundidas com a verdadeira confiança em Jesus Cristo, que traz imediatamente a certeza do novo nascimento e da paz de Cristo.

EXEMPLOS NAS ESCRITURAS...

·       Como foi que nosso Senhor levou o presidente de uma universidade à salvação? Bem, nessa instância Cristo destacou a necessidade do Novo Nascimento, uma miraculosa transformação operada pelo poder do Espírito Santo. Cristo também comparou o Novo Nascimento àquele milagre do Velho Testamento, em que foi dada vida nova a muitos que tinham sido mordidos pelas serpentes. Encontramos tudo isso em João 3:1-21. Nicodemos foi genuinamente salvo (João 19:39).
·       Logo no capítulo seguinte nosso Senhor trata com uma mulher extremamente pecadora. Ela tinha vindo para buscar água e Jesus lhe falou sobre o poder satisfatório da água da vida. Parece que primeiramente Ele excitou seu apetite por aquela água, para então proporcioná-la. Não resta dúvida sobre a conversão daquela mulher, conforme verificamos no Versículo 39.
·       No capítulo que se segue (João 5), nosso Senhor guia graciosamente certo homem a Si mesmo, tomando por base o reconhecimento de sua desesperada necessidade. A assombrosa pergunta de Cristo (versículo 6) excita o homem a firmar os olhos de sua fé na habilidade de Cristo em curar tanto a alma como o corpo. Também se pode notar algumas evidências do cuidado que Cristo tem por nós depois da conversão (Versículo 14).
·       Igualmente podemos examinar João 6. Aqui, nosso abençoado Senhor faz muitas coisas que podemos notar e seguir. Ele usa um menino para ensinar grande lição. Enviou suas bênçãos não diretamente às multidões, mas por meio da instrumentalidade de seus discípulos. Oferece grande banquete sem fazer despesas. Mostra como o homem não vive apenas de pão terreno, mas também por meio do Maná espiritual. Todas essas coisas maravilhosas são lições que se destinam a nós, os obreiros pessoais.
·       O Capítulo 8 relata uma terna e linda história. A pobre mulher era uma vítima da desumanidade e da brutalidade. Ela também era uma pecadora, mas com que cuidado Cristo tratou de sua sórdida vida. A parte mais maravilhosa do relato é que Cristo envergonhou a todos por nada terem feito a fim de ajudá-la. Quando todos se foram, ela olhou para Cristo. É um bom lugar para se olhar. E Ele gentilmente a admoestou para que se fosse embora e não mais pecasse. Há muita coisa para aprender aqui.
·       Cristo é um obreiro pessoal por excelência. Esses episódios estão registrados para que sigamos o Seu exemplo.
·       Depois de ter Cristo voltado aos céus,  esse ministério de trabalho pessoal continuou. Pedro e João estavam no caminho para o templo e iriam orar. Mas, um pedinte lhes solicitou uma moeda. Circunstancialmente eles não tinham uma moeda, mas o pedido lhes forneceu a oportunidade de apontar-lhe algo muito melhor que uma moeda, a verdadeira riqueza de Cristo. E aquele indivíduo foi genuinamente convertido conforme demonstram suas ações (Atos 3:1-10).
·       Havia certo obreiro pessoal que, para começar, não era pregador.   Era um comerciante, mas estava cheio do Espírito Santo.  Estava dirigindo uma campanha evangelística na Samaria, mas foi enviado por Deus para uma longa jornada, a fim de levar uma alma (e uma alma importante) a Cristo. Note-se cuidadosamente como o Senhor preparou todas as coisas. Veja como tudo se encontrou perfeitamente (Atos 8:26-49).
·       Saulo de Tarso é quase uma exceção, mas não exatamente. Apesar de uma conversão provocada pela comovente aparição do ressurreto Senhor, vindo da glória, a sua nova vida cristã e as primeiras instruções foram dadas por um discípulo chamado Ananias. Nesse caso houve longo período de meditação. Em seguida começou imediatamente seu serviço ao Senhor em Damasco. É um caso digno de nosso exame (Atos 9:1-31).
·       Cornélio era homem respeitabilíssimo. Ninguém haveria de imaginar que sua alma ainda necessitava de alguma coisa. Mas havia fome em seu coração, tal como sucede com todos os corações humanos. Aqui verificamos o admirável poder da oração da fé. Cornélio orava diariamente e Deus mandou-lhe um anjo em uma visão, o qual lhe disse que mandasse chamar certo homem.  Pedro, que era esse homem, veio, pregou o mesmo Evangelho que teria pregado a qualquer outro indivíduo e Cornélio foi salvo. A mão diligente do bendito Espírito Santo pode ser vista claramente nesse caso (Atos 10).
·       Lídia era uma negociante. Ela percebia a inutilidade do paganismo. Adorava a Deus embora não O conhecesse. Isso não é coisa nova. No coração de todos aqueles que estão fora de Cristo, há um vácuo para as coisas de Deus. Deus operou especialmente em Lídia. Abriu seu coração desejoso para que entendesse a história que saía dos lábios de Paulo – a história de Cristo. Ela correspondeu imediatamente com boas obras, o que foi uma evidência do fato de sua salvação (Atos 16:14-15).
·       O carcereiro estava em desespero. Estava em grande perigo e bem o sabia. Mas Paulo lhe disse as palavras que devia, na ocasião exata (dirigidas pelo Espírito) e o carcereiro aceitou a mensagem da salvação como um homem que se estava afogando. Aqui vemos uma breve fórmula a ser seguida pelos obreiros pessoais. Como também a fome que imediatamente aparece nos corações recém-convertidos para que outros membros de suas próprias famílias também sejam salvos (Atos 16).

A ENTREVISTA...
·       Como podemos alcançar o clímax da entrevista? O trabalho pessoal evangelístico é vasto como o mundo, há milhares de maneiras para alcançar homens e mulheres. Mas, cada contato deve ser levado até um clímax, ocasião em que o entrevistado aceita o Salvador. Aqui temos uma das maneiras para fazer ocorrer esse milagre.
·       Talvez você já tenha falado sobre outras coisas. Mas aqui está agora o “TCV” do clímax. Sua Bíblia está em suas mãos e você já orou em voz alta a Deus, pedindo direção. Agora:
Abra sua Bíblia em João 1:12. Leia cuidadosamente a passagem para a pessoa. Mostre-lhe que se ela fizer certa coisa, Deus também fará alguma coisa. Deixe que a pessoa leia o trecho por si mesma.

 “T” significa, “Todos pecaram” (Romanos 3:23). Isso inclui a pessoa com quem você está tratando. Ele (ou ela) também é um pecador. Será que a pessoa quer admiti-lo? É necessário, pois Cristo veio salvar apenas os pecadores (1 Timóteo 1:15).
“C” significa, “Cristo morreu pelos pecadores” (1 Coríntios 15:3). Veja-O morrendo na cruz. Cristo não morreu apenas pelos pecados do mundo, mas também pelos pecados da pessoa com quem você está tratando. Será que essa pessoa olhará para Cristo com os olhos da fé? A salvação vem somente por meio d’Ele e por meio de Seu sangue derramado (1 Pedro 2:24).
“V”, significa “Vinde a mim” (Mateus 11:28). O “mim”, nesse caso é o Cristo que morreu por você. Seu sangue já foi derramado e o preço da redenção já foi pago. Resta a necessidade definida de ação por parte da vontade humana. Quer aceitar a Cristo? Quer recebê-Lo agora? Quer crer que Ele pode salvar sua alma? (João 3:16-18).
·       Em seguida interrogue seu entrevistado se ele já está pronto para vir a Cristo, em recebê-Lo como Salvador e Senhor. Em caso positivo, sugira que ele incline a cabeça e diga isso a Deus. Diga-lhe que basta falar com Deus sobre aquelas três coisas "TCV".
·       Se a pessoa hesita em orar sozinha, sugira que ela repita sinceramente uma oração após cada frase sua. Então, frase por frase, lidere-a em oração simples, lembrando-se de pôr em tempo gramatical presente a sua situação a Cristo. (Eu aceito a Cristo agora, neste momento eu recebo o Senhor, creio agora que Cristo morreu por mim, etc.).
·       Depois de terem orado juntos, você pode orar novamente, agradecendo a Deus pelo glorioso milagre da salvação, e pedindo mais luz para o coração daquela pessoa.
·       Tome a sua Bíblia novamente. Refira-se mais uma vez a João 1:12. Leia a passagem em voz alta e peça que a pessoa também a leia. Assinale que Deus promete fazer algo muito maravilhoso, sob a condição que a pessoa faça certa coisa. Que coisa? Que coisa é essa? É que a pessoa "receba" a Cristo.  A pessoa já fez isso? Foi sincera? Será que ou disse com a boca, quis dizer também com seu coração? Caso seja verdade, então Deus prometeu fazer alguma coisa.
·       Deus é honesto? Não pode haver dúvida sobre esse ponto. Bem, se Deus prometeu fazer alguma coisa, certamente Ele o cumprirá. Ora, no caso que temos à frente, Deus prometeu fazer da pessoa um “Filho de Deus” sob a única condição de que ela creia. Essa pessoa creu? Bem, então com toda certeza Deus fez a sua parte. Por conseguinte, que é aquela pessoa agora? Leia novamente João 1:12. É um filho de Deus!
·       Quem disse isso? São estas as palavras do obreiro pessoal tão somente? Não, o próprio Deus pronunciou essas palavras. E Deus sempre quer dizer aquilo que diz. Podemos depender de Suas palavras durante todo o tempo. E as palavras dessa promessa estarão na Bíblia amanhã, na próxima semana, no ano seguinte e através de toda a eternidade.
·       O obreiro pessoal agora sugerirá que deseja que o crente recém-nascido faça três coisas: em primeiro lugar, que o novo crente leia diariamente a Bíblia. Que não se passe nem um dia sem que ele leia alguma porção bíblica, mesmo que seja curta. É bom sempre levar consigo a Bíblia ou o Novo Testamento para que leia frequentemente durante o dia. Pois a Bíblia é alimento e sem ela não pode haver vigor na vida cristã.
·       Em seguida, o novo convertido deve orar.  Não somente pela manhã e à noite, mas sem cessar. As orações não precisam ser longas nem enfeitadas. É suficiente falar a seu Pai Celestial, que há pouco encontrou. Podemos pedir-Lhe qualquer coisa, falar-Lhe a respeito de qualquer coisa.
·       Além disso, deve contar a 10 pessoas que recebeu Cristo. Assim terá início uma vida de testemunho.  Pois não pode haver felicidade na vida cristã quando o crente conserva sua boca fechada... Não é preciso que ele pare quando chegar a décima pessoa. Pode relatar o que fez a 10.000. Que comece, entretanto, com os 10. Que ofereça um testemunho simples. Que diga às pessoas que recebeu a Cristo como seu Salvador. Alguns talvez se riam. Não deve se importar com isso. Talvez algum deles se chegue querendo o que o crente possui. E ele terá o regozijo de contar a história de Jesus e como O encontrou.

ORIENTAÇÃO AOS NEO-CONVERTIDOS...

·       A pessoa que você acabou de conduzir a Cristo é agora uma criança em Cristo". Precisará de algumas atenções muito cuidadosas e cheias de amor, durante algum tempo. Seu crescimento na graça, que não deve ser rápido (2 Pedro 3:18), quase que exclusivamente dependerá da ajuda afetuosa que você der a ele (ou ela). Isso é o discipulado.
·       Quando tiver terminado as instruções contidas na "entrevista" então você quererá saber certas coisas. Verifique seu nome, endereço, número de telefone e quaisquer outras informações importantes. Por que isso?  Porque tudo isso ajudará nas importantes (e alguns dizem indispensáveis) instruções posteriores.
·       Você deveria, também, pôr em suas mãos alguma literatura boa e sadia. Talvez um livreto sobre como viver a vida cristã, ou um bom folheto nos quais você poderá assinar seu nome e datar. Adicione se quiser uma palavra de congratulação. Entregue também um Evangelho de João ou um Novo Testamento. Aconselhe a pessoa a se ligar a uma boa igreja que pregue a Bíblia. Assinale que uma boa igreja deve amar a Bíblia, pregar a Cristo, estar intensamente interessada nas almas dos homens. Diga ao novo convertido que ele será grandemente auxiliado se ele se associar a uma igreja assim.
·       Se houver presentes algumas outras pessoas crentes, apresente o convertido para elas. Diga-lhes que ele acabou de tornar-se um crente em Jesus. Suas congratulações muito farão para encorajá-lo.
·       Se possível, antes de despedir-se procure marcar um encontro com ele para ir a algum culto juntos em um futuro próximo. Pode ser no domingo seguinte, ou em algum culto do meio da semana. Isso ajudará a pessoa a ambientar-se na igreja.
·       Não se esqueça de verificar se ele possui uma Bíblia, antes de ir-se embora. Se ele tinha a Bíblia durante a entrevista, sugira-lhe que escreva a data de sua conversão. Algo assim... "nesta data recebi o senhor Jesus Cristo como meu salvador pessoal". Talvez ele queira que você assine também.
·       Se ele não tem uma Bíblia faça tudo para que consiga uma. Se não tem uma com que presentear-lhe, diga-lhe onde ele possa adquiri-la, ou então planeje mandar-lhe uma. Fale ao seu pastor sobre o novo convertido. Ele talvez queira visitá-lo. Ou talvez queira falar-lhe sobre o batismo e sobre ser membro da igreja. Certamente seu pastor se porá ao seu lado em suas orações sobre o neo-convertido e poderá fazer alguma sugestão importante a respeito das instruções posteriores.  Seu coração também ficará satisfeito. Assim que você tiver se afastado daquela pessoa, certamente você desejará elevar seu coração ao Senhor em oração novamente. Lembre-se que o diabo fica tremendamente ativo ao procurar fazer com que o novo convertido caia ou fique desencorajado. Você poderá fortalecer um novo crente pelo milagre de sua oração.
·       Talvez já se passou um dia desde que aquela pessoa fez a sua decisão.  Não seria boa idéia telefonar-lhe ou mandar uma mensagem pelas redes sociais?  Apenas algumas palavras de encorajamento de sua parte poderão operar maravilhas em seu coração.  Esteja pronto e lembre-se que ela é apenas uma nova criatura em Cristo, e nessa qualidade necessita de muito cuidado.
·       Às vezes é melhor uma carta ou mensagem escrita. Pois em alguma carta você poderá incluir alguns versículos das Escrituras com suas respectivas referências. Além disso, um novo convertido poderá ler as cartas ou mensagens escritas muitas e muitas vezes. Que sua carta deixe transparecer o amoroso interesse que você tem por ela.
·       Algumas dessas sugestões talvez não se apropriem ao seu caso. Mas, suponhamos que o novo convertido seja mais ou menos de sua idade e que não more muito longe. Que coisa maravilhosa é tê-lo para o jantar. Ou, se ele é homem com família, convide também sua esposa. Dessa maneira poderá estabelecer uma ligação,  uma nova amizade.
·       Certamente também haverá de querer saber a respeito da sua família e seus parentes. Às vezes quando algum membro de uma família recebe a Cristo, esse é o momento apropriado para levar os outros membros da família a Cristo também. Dessa forma você poderá ganhar a família inteira.
·       Peça a outros crentes que orem também. Entretanto não deve fazer menção de nomes, a menos que não haja objeção por parte do decidido. Mas pode pedir aos outros crentes que orem em favor de um neo-convertido. A oração é muito vital!
·       Dirija-se à livraria evangélica local onde talvez você encontre um livro bom que servirá de ótimo presente e que falará ao coração daquela pessoa  e provavelmente você terá desejo de lembrar-se dela no seu aniversário, por ocasião do natal ou qualquer outra data.

COMO TRATAR DAS DESCULPAS...
·       Qualquer obreiro pessoal logo encontrará desculpas de pessoas que não querem receber a Cristo nem tornar-se crente. Poucas dessas desculpas têm alguma razão de ser.  A maioria delas parecem ser tolices ao serem trazidas à luz. É interessante que o obreiro esteja preparado com boas respostas bíblicas.
·       Por exemplo, alguns pecadores dirão ser incapazes de receber a Cristo por causa da presença de certos chamados hipócritas na igreja. Bem, a resposta para essa desculpa é admití-lo prontamente e dizer que quando aquela pessoa tornar-se crente, certamente não haverá de querer ser um hipócrita também.  Lembre-lhe que Deus não lhe fará perguntas sobre as outras pessoas e que há hipócritas em todos os ramos da vida.
·       Certos pecadores teimam em dizer que Deus é bom demais para sentenciar qualquer pessoa ao inferno. Essa desculpa lhe soará bem até que você reconheça que Deus fez tudo quanto estava em Seu poder para impedir que os homens fossem para o inferno. A cruz é a resposta. A cruz é a suprema barreira, posta por Deus para impedir o ingresso no inferno. Qualquer pessoa que vá para o inferno só irá porque não aceitou o sacrifício de Jesus Cristo na cruz.
·       Algumas pessoas não se vêem como pecadores. Para tais pessoas é usualmente suficiente salientar que as Escrituras insistem em que todos são pecadores e que não há nem sequer um justo. Para outros, entretanto, será necessário mostrar qual o verdadeiro caráter do pecado. Não é apenas uma transgressão baixa, como assassinato, o adultério, o furto. Pelo contrário, o coração do pecado é o egoísmo. É fazer a vontade própria em lugar de fazer a vontade de Deus. Há também o primeiro e grande mandamento dado por Cristo (Mateus 22: 35-40), cuja quebra constitui o maior dos pecados. Tais pessoas têm praticado essas coisas?
·       Outros acreditam ser demasiadamente pecadores para ser salvos. Para esses é de grande consolo mostrar que Cristo salvou assassinos, adúlteros, ladrões e até os que praticaram todos esses males. As pessoas com quem você está tratando têm pecado mais que aqueles exemplos bíblicos? A Bíblia não limita o pecado. Cristo morreu por todos os nossos pecados. Ninguém, ao se decidir,  jamais foi recusado por causa de seus pecados.
·       Vai haver muito tempo! Mas, quem sabe se ainda haverá muito tempo? Os cemitérios estão repletos de pessoas que morreram aos vinte, aos trinta e de pessoas que morreram com setenta anos de idade. De qualquer forma, a Bíblia estipula que agora, hoje, é o dia da salvação (2Coríntios 6:2). Será seguro arriscar-se?

LIDANDO COM AS DIVERSAS SEITAS...
·       Não é novidade dizer que há muitas seitas falsas em nossos dias. Qual deve ser a atitude do obreiro pessoal em face dessas seitas? Como deve enfrentar sua falsidade?
·       Em geral é melhor ignorar a seita. Se alguém faz parte de alguma seita falsa é melhor ignorar a seita.  Se alguém faz parte de alguma seita falsa é também um pecador. A seita não torna nem mais pecador nem menos. Ele precisa de Cristo e deve aceitá-Lo por ser um pecador e não por ser membro de uma seita falsa. As necessidades e as condições básicas para a salvação são exatamente as mesmas. Algumas seitas falsas são piores que as outras. Por exemplo, o Adventismo do Sétimo Dia  professa crer e ensinar a salvação por meio da obra de nosso Senhor na Cruz do Calvário. Por outro lado, misturam tragicamente a morte de Cristo com os princípios da Lei, o que vem a contradizer o que ensinam sobre a graça de Deus. É possível que alguns adventistas vejam a si próprios como pecadores e sejam salvos.
·       O Mormonismo é uma seita de monstruosa devassidão religiosa entoada em terminologia bíblica.  Essa gente que demonstra a forma de piedade nega todos os preceitos básicos da salvação pela graça de Deus... Para os mórmons, a salvação consiste em observar todas as leis e ordenanças de sua religião. De forma alguma há a experiência do Novo Nascimento nessa seita, pois que não pregam isso. Os mórmons são tão perdidos como os piores pagãos.
·       O Espiritismo afirma que Jesus Cristo não era divino e que o ensino do Espiritismo é superior e mais completo do que os ensinos do cristianismo. Para eles o mal não existe, e assim sendo, o homem nunca caiu. Ainda mais, não há valores expiatórios quaisquer na morte de Jesus Cristo. Diante de tais crenças podemos assegurar que os indivíduos pertencentes a essas seitas estão tão perdidos e necessitam da salvação quanto qualquer outra pessoa pagã.
·       Os Testemunhas de Jeová são um grupo que trabalha de casa em casa. Suas crenças, na maior parte, se originam nos escritos de um chamado pastor Russel. O sistema da salvação que eles pregam é a coisa mais afastada da Bíblia que alguém pode encontrar. Para eles a salvação consiste em unir-se à sua seita. No estado em que estão, são totalmente perdidos.
·       Lembre-se que até os religiosos de muitas seitas estão com aquele vácuo na alma, a que somente Cristo pode preencher.


BOA PESCA...

·       Nosso senhor disse: “vinde após mim e eu vos farei pescadores de homens” (Mateus 4:19). Confio que, se você seguir ao Senhor, fará boa pescaria.