terça-feira, 16 de junho de 2015

CRENTE é OBRIGADO a AMAR os OUTROS?

DEVEMOS AMAR A TODOS ?
Pr. Érico R. Bussinger
A Bíblia é repleta de ensinos interessantes e até estranhos, para nós. Quando se lê que Deus mandava apedrejar alguém, é óbvio que quase todos hoje afirmam que “a lei já passou”, “aquilo era para aquele tempo” e que “hoje Jesus manda a gente amar os outros”. E não se passa a estudar o propósito que Deus tinha em mente quando deu aquela ordem. A bem da verdade, é bom dizer que Jesus (nem Deus) nunca nos mandou “amar a todos”. Simplesmente nos seria impossível. E inclusive o inimigo usa essa afirmação para nos acusar. O objetivo dele é nos desmoralizar. Mas a verdade é que Deus mandou aos israelitas (e Jesus validou também para nós) “amar o seu próximo” (Lv.19:18). Não a todos. Quantos irmãos eu tenho encontrado com a consciência pesada por essa acusação do inimigo! Por exemplo, por não estar conseguindo amar certa “celebridade”! Mas nem o Senhor nos obriga a isso. O que Ele nos manda é amar o nosso “próximo”. E Jesus define melhor quem é o próximo, tanto na parábola do samaritano, quando no novo mandamento: “amai-vos uns aos outros” (Jo.13:34,35). Inclusive ao inimigo (que é claro que nós conhecemos e ele está próximo a nós, e às vezes é nosso parente, senão não saberíamos que ele é nosso inimigo). Mas também é claro que só conseguiremos isso se o Espírito Santo estiver em nós (verdadeiramente nascidos de novo).
Para tentar “fugir” a este mandamento (amai-vos uns aos outros) muitos crentes estão tentando “se esconder” no anonimato das “grandes igrejas”, pois que, se massificadas, ninguém sabe lá quem é “o seu próximo”. Se não sabemos quem é o nosso próximo, é compreensível querermos aquietar a nossa consciência por não cumprir esse mandamento.
Você percebe por que as “grandes igrejas” crescem com facilidade?
Se eu creio que Jesus vai voltar e que a salvação é só para aqueles que estão ligados à “igreja”, a noiva a quem Jesus vem buscar, é também certo que irão ficar aqueles que não amam o seu irmão (1 Jo.4:7,8). O primeiro passo para amar alguém é saber quem é esse alguém (estar na igreja). Se o crente não “congrega” com esse alguém não pode amá-lo (1 Jo.4:8). E congregar, no conceito de Deus, não é ter “carteirinha” de membro, nem ir de vez em quando às reuniões. Mas conhecer os seus irmãos, conviver com eles e amá-los. É duro... mas a salvação não é mesmo para “qualquer” crente. A primeira epístola de João nos ensina isso. Não deveríamos mesmo fazer pouco caso dessa “tão grande salvação” (Hb.2:3).
Em Ez.46:18-24 Deus estabelece as condições para que um líder (príncipe) exerça suas funções perante Deus: Que conheça seus irmãos, não tome nada deles e zele pelo que é de seus irmãos. Os sacerdotes deveriam cozinhar a oferta de cada um. Ou seja, o líder deve sê-lo pelo exemplo. Líder conhece seus irmãos. Líder que é servo de seus irmãos. É difícil vermos isso hoje. Por isso a igreja está do jeito que está. Tão organizada como uma empresa e também tão fria (ou morna) como uma empresa. Muita organização e pouca vida. Tão formal e os crentes longe uns dos outros. Líderes tão bem na sociedade e tão longe dos irmãos.
O cap.47 de Ezequiel, no entanto, só vem depois. Leia o v.1. A maravilhosa revelação das águas purificadoras só irá acontecer depois que cada líder e cada membro do corpo estiver no seu lugar de herança. Isso só ocorrerá depois que Jesus voltar, no milênio. O ensaio, no entanto, é agora. A prova também é agora. Depois que Jesus voltar, ninguém entrará mais (Lc.13:25-28).
E você, está passando na prova (do amor)? Você tem comunhão com outros? Pelo menos, você sabe a quem amar e a quem Jesus vai cobrar de você o amor?
Paz!