terça-feira, 16 de junho de 2015

IGREJAS CHEIAS, MAS DE CRENTES SEM FÉ

O QUE FAZER QUANDO A FÉ SE ESFRIA?
Pr. Érico R. Bussinger
Entre os sinais mencionados por Jesus em Mt.24:4-14 para nos servirem de previsão da sua volta, está o esfriamento do amor (v.12) de quase todos. E em Lc.18:8 Ele também afirma que a Fé vai se esfriar até quase desaparecer. No entanto, o progresso caminhará a passos largos. E inclusive a pregação do Evangelho (v.14). Como podemos conceber o mundo se desenvolvendo e o Evangelho sendo pregado a todas as nações, enquanto o amor se esfria e a fé também? Que Evangelho é esse que progride sem fé e sem amor? Será que o estamos vendo em nossos dias?
Os outros sinais preditos pelo Senhor Jesus como indicadores do seu breve retorno nos vão ficando claros cada vez mais, como: - os sinais sociais (guerras, fomes, iniqüidade, tribulação, ódio, escândalos, traições, etc.), - os sinais da natureza (terremotos, secas, variação do clima, sinais nos céus etc.) e - os sinais religiosos (multiplicação de religiões, falsos profetas, falsos mestres, heresias, apostasias, etc.).
Quanto à mudança da natureza do ser humano - Esfriamento do amor (homens frios, implacáveis, sem afeto, etc.) e - Esfriamento da fé , enquanto o Evangelho progride é mais difícil compreender.
Eu creio que este é exatamente o perigo maior que reside sobre nós cristãos, a mornidão espiritual. Por ela o crente não será salvo (Ap.3:15-17). Mas é o que está acontecendo em nossos dias e vai acontecer generalizadamente, segundo as palavras do Senhor Jesus acima referenciadas. Se também somos alertados para o fato de que “sem fé é impossível agradar a Deus “(Hb.11:6), entendemos que não há salvação sem fé. Mas se é o que vai acontecer (Igrejas cheias de crentes sem fé), também concluímos que serão muito poucos os crentes salvos. A maioria deles será “vomitada da boca do Senhor.”(Ap.3:16). Isso, porém, não é novidade. Os discípulos quiseram saber a proporção de pessoas que seriam salvas e Jesus deixou isso bem claro. “Muitos chamados e poucos escolhidos”, “Porta estreita”, “caminho estreito para salvação e largo para perdição”.
Que Evangelho é esse que “será pregado a todo o mundo” e no entanto poucos serão salvos? Há vários evangelhos? Esta é a realidade. Evangelho significa “boas novas”. E quantos evangelhos de facilidades estão sendo pregados? E os evangelhos só de bênçãos, de prosperidade (Ap.3:17), evangelho social ou o evangelho sem obras (Tg.2:26)? O mais perigoso, entretanto, de todos os evangelhos que não levam à salvação, é exatamente o evangelho da mornidão. Este é o Evangelho teologicamente correto, mas que se baseia na fé esfriada e que, portanto, não garante salvação, pois que acomodado à mornidão. E é o evangelho mais pregado em nossos dias e que inclusive é o que mais “enche igrejas” (independente de denominação).
O Evangelho da mornidão (da fé esfriada) “enche igrejas”, pois que trabalha de mãos dadas com a “massificação”. Em Igrejas massificadas (em geral grandes em número) se desenvolve o melhor sistema de reuniões-shows, bastante profissionalizadas, bonitas, e é o que mais agrada às pessoas. Os ouvintes (Tg.1:22) desses evangelhos são como “ovelhas sem pastores” e não serão capazes de qualquer atuação de testemunho evangélico, porque só aprenderam a “assistir” . Religião que só se assiste não tem poder, não transforma vidas e só vai trazer aos seus ouvintes uma fé esfriada. Mas essa nada lhes garantirá.
E os falsos mestres e falsos profetas, o que estão pregando nessas igrejas? Você sabe?
Este, para mim, é o sinal da volta de Jesus mais difícil de se entender: IGREJAS CHEIAS (mas de crentes mornos= esfriados na fé). Que valor isso tem?
E quanto a nós? Paz!