terça-feira, 16 de junho de 2015

Sara, o modelo para a mulher cristã

SARA, MULHER - II
Pr. Érico R. Bussinger
. Deus tem me levado a refletir, muitas vezes, sobre as diferenças entre o homem e a mulher. São muitas, inumeráveis. E maravilhosas! A beleza das diferenças entre os gêneros masculino e feminino de fato coroam a obra da criação. É muito pouco o pensar nas diferenças somente com base no sexo. É claro que só isto nos embevece. Como o homem e a mulher se completam! Como funcionam de forma tão diferente! Não é de somenos importância o fato de Satanás, que estava no Éden (Ez.28:13), querer estragar a beleza dessa criação tão diferente, tão perfeita. Na área do sexo, por exemplo, como as mulheres são diferentes dos homens nas funções. No tempo, no modo de cada ato, na sensibilidade, etc. Não é só na forma dos membros não, embora eles sejam bastante diferentes. O significado de cada detalhe é importante. A mulher foi criada para ser receptora, amada, liderada. E o homem foi criado para dar, amar, liderar, tomar iniciativa. E é claro que isso repercute por todo o relacionamento e toda a convivência. É bíblico.
O homem, sem a mulher, não se completa. Não consegue liderar, não se realiza nas demais áreas da vida. Não tem a quem amar, a quem dar. Sua vida fica um tanto seca. É claro que os demais relacionamentos, incluindo o relacionamento espiritual com Deus e com os demais irmãos, podem ocupar a sua mente, o seu tempo e até parte do seu coração. Mas nada o completará, a não ser aquela que, criada por Deus, receberá seu fluido precioso, produzido em seu corpo para ser usado. A Bíblia designa a tensão que o homem sofre por vários termos, como a continência e o viver abrasado (1Co.7:1,5,9). O vulgo achou de apelidar essa tensão masculina por estar “de saco cheio”, o que literalmente é verdade. Um homem muito conhecido na Bíblia, por causa disso, chegou a entregar tudo, todo o seu segredo, nas mãos de uma mulher gananciosa, justamente por ela ter sabido “ser mulher”. Trata-se de Sansão e Dalila (Jz.16:16). As mulheres que sabiam “ser mulheres” conseguiram “virar a cabeça” do homem mais sábio até então- Salomão (1Re.11:4,9). Não se sabe se foi depois disso, mas ele recomenda aos demais homens, que tomassem bastante cuidado com as mulheres, que têm as armas (lábios, palavras, olhadelas, etc.) capazes de destruir um homem (Pv. 5:3 e 7:24-27).
. Pelo lado da mulher, embora dotada da capacidade de se fazer “bela”, por dentro e por fora, tão meiga e delicada, embora fraca no corpo, Deus lhe deu a “força” para completar o homem e conseguir com ele qualquer coisa, até mesmo a sua salvação (1Pe.3:1). A natureza feminina anseia por ser amada, liderada, completada, penetrada. Ela pode até “escolher” não querer isso. Mas a sua natureza vai sempre clamar por isso. A verdadeira espiritualidade também clama por essa feminilidade, que não se restringe ao casamento. E isso é “ser mulher”.
. Não é de se estranhar que Satanás deseje confundir toda essa perfeição da criação de Deus, essa diferença tão cumpliciante e bela. Ele o tenta de várias maneiras. Por exemplo, ao colocar algum ideal para ocupar todo o tempo de uma mulher, ao lhe “empurrar” uma obrigação de estudos sem fim, para se tornar “intelectual”. Ao jogá-la na “arena” capitalista, fazendo-a “escrava” da luta pelo dinheiro, ou mesmo lançá-la à luta ideológica. Ou até mesmo Satanás ilude a mulher ao lhe prometer o “poder”, ao empurrá-la para uma carreira profissional em uma empresa, como se ela fosse um homem, que só se satisfizesse com isso. Ao igualar homem e mulher, debaixo de uma carreira profissional, o inimigo está intentando destruir toda a beleza da diferença entre gêneros. A mulher não tem que “ganhar” salários menores, iguais ou maiores que os dos homens. Ela tem uma carreira “diferente”, que deve ser remunerada de forma bastante diferente (Pv.31:31).
. Quando a Bíblia ensina que a única mulher que deve ser tida como modelo era a Sara, de Abraão, Deus estava nos dando um projeto de “carreira feminina”. Quando Deus valoriza o fato de a mulher ser “boa dona de casa, boa esposa e boa mãe – 1Tm.5:14”, é porque isso faz parte do projeto original e realmente valoriza a mulher. Por toda a eternidade. É uma tarefa ímpar. Sara significa para nós nada menos do que uma “carreira cristã”, uma “nova aliança” – Gl.4.24. É profundo demais. Ao buscar a beleza interior (que no caso de Sara a fez bela por fora até os 90 anos de idade), a mulher exemplifica a própria vida cristã, razão pela qual Deus tem a Sara como mulher que deve ser tida como exemplo para as demais. O nosso interior é onde Deus quer trabalhar. A mansidão, a humildade, a beleza de caráter (o fruto do Espírito), nos faz como servos uns dos outros. E isso nos faz grandes diante de Deus (Mt.20:26)! É essa perfeição que devemos buscar. É por isso que Sara foi grande, mesmo sem ter composto sequer um salmo ou feito uma oração sequer.Sara simplesmente agradou a Deus em cheio, ao ser simplesmente mulher. Era tudo que Abraão precisava aqui na terra. Se nem mesmo ele mereceu a tamanha honra recebida de Deus (foi pela fé), a Sara não lhe foi inferior e participou desse processo de agradar a Deus. Ela simplesmente foi...mulher, de acordo com o projeto original de Deus. A Eva que deu certo!
. Que as mulheres cristãs lhe sejam filhas (1Pe.3:6)e ainda que não se casem, desejem e pratiquem a sua humildade e submissão, fazendo-se, por isso, belas aqui e grandes aos olhos de Deus, por toda a eternidade.