terça-feira, 16 de junho de 2015

A ORAÇÃO QUE NÃO DEVEMOS FAZER

A ORAÇÃO DA ESPERTEZA
Pr. Érico Rodolpho Bussinger
. Nós lemos em vários livros da Bíblia a respeito de um rei muito interessante: o Rei Ezequias. Sua história pode ser encontrada a partir de 2Re.18, 2Cr.29 e Is.36. Filho de Acaz, um péssimo pai, Ezequias observou desde cedo as conseqüências de se viver uma vida em pecado contra Deus. E bem assessorado, ele foi orientado desde cedo a escolher o caminho da obediência a Deus. E assim o fez. Logo aos 25 anos começou a reinar. Como a situação do seu país era crítica em extremo, ele escolheu ser radical desde o início. Além do seu país estar muito enfraquecido, era ameaçado pela maior potência do mundo, a Assíria, que então já dominava grande parte do mundo conhecido. Sem condições humanas para resistir e governar, ele se voltou para Deus. E foi a sua escolha certa. Não só Deus o fortaleceu e abençoou, como fez dele o grande vencedor do império assírio. Ele se tornou famoso em extremo. E aqui começa o nosso comentário.
. Em 2 Re.20 nós lemos que Deus se revelou a Ezequias, quando em plena exuberância de poder e fama e lhe avisou que era chegada a sua hora de partir. Ezequias entendeu a morte como um castigo de Deus que ele não merecia. Conclusão errada! A mesma a que chegam muitos crentes em nossos dias, como as pessoas do mundo. Mas o propósito de Deus era o melhor. Entretanto, Ezequias não estava totalmente bem com Deus. Ele precisava fazer alguns acertos: “pôr em ordem a sua casa...”(2Re.20:1). Como prova de que não estava bem, começou uma sequência de erros seus. Ao invés de agradecer a Deus o aviso e entender que a vontade de Deus é o melhor para nós (Rm.12:2), ele se lançou a uma “batalha de oração” com Deus. Pediu para não morrer logo. Você já viu algum crente orar orações desse tipo? Você ora assim? Exigem de Deus, colocam-no na parede. Pedem pela vida humana como se fosse o valor mais importante. Rejeitam o desígnio de Deus, que é o melhor. E exigem que Deus atenda à sua oração. Desconhecem que os caminhos de Deus são sempre melhores que os nossos (Is.55:9).
Eu chamo a oração antropocêntrica como a oração da esperteza, o querer mover Deus a atender o seu interesse próprio. Ezequias não orou pelo seu povo, pelos desviados, pelos que ainda não conheciam ao Senhor nem mesmo pela nação. Orou só por si. Em seu pensamento, o mais importante era ele sobreviver. Ele se sentia o centro de tudo. E o mais interessante de tudo é que Deus lhe atendeu. E ficou registrado para nosso aprendizado: É sempre melhor a gente se conformar com a vontade de Deus do que pedir a Ele que atenda à nossa vontade. Isso se aplica à cura de nossas enfermidades, de nossos parentes, etc.
. Tendo Deus curado o rei Ezequias, ele se sentiu importante para desafiar Deus e pedir um sinal (o que hoje muitos fazem, como Tomé), se envaideceu ao ser projetado a uma posição de celebridade do mundo e fez coisas desagradáveis aos olhos de Deus. Teve um filho nesse período, Manassés, que foi a desgraça do país. Nasceu 3 anos depois da cura de Ezequias (segundo interpretação mais direta) e envergonhou o nome da família.
. Por fim, Ezequias, ao ser repreendido por Deus pelos compromissos assumidos com os babilônios sem a aprovação dEle, fez o que teria sido seu comentário mais infeliz na vida: “não importa que o mal venha, desde que não seja no meu tempo...”(v.19). E assim se foi, deixando a péssima herança: seu filho, que apagou rapidamente tudo de bom que ele havia feito.
Conclusão para nós: você tem orado a oração do egoísmo? Por quem ou por quê normalmente você pede? Você costuma fazer seus planos e depois ir a Deus, pedindo que abençoe o que você decidiu? Responda para Ele.
Paz!