quarta-feira, 15 de julho de 2015

Olhando para a Grécia com as barbas de molho

     BRASIL   E   GRÉCIA
     Há uma série de países no mundo atual que apresentam características econômicas semelhantes. Entre eles cito Brasil e Grécia. Mas é evidente que no meio ainda estão Venezuela e Argentina. E isso sem destacar também os demais países do mundo que estão na mesma situação.
     Esses países, que não foram os únicos, dentre muitos, se sentiram atraídos pela ilusão de gastar mais do que arrecadaram, no intuito de distribuir a todos melhores condições de vida.  O resultado disso tudo são dívidas enormes, enquanto que a tão sonhada justiça social não é atingida.
     É evidente também que não vamos considerar os efeitos nefastos da tão má corrupção, que beneficia uns poucos, deixando para os demais o arcar com esse custo.  É o mesmo efeito perverso da inflação. Aliás, essas coisas costumam andar juntas.
     O Brasil acumulou, nos últimos anos, uma dívida praticamente impagável, que começa agora a arrochar os mais pobres. E estamos apenas no início do processo. E como a Grécia está mais adiantada, devemos olhar para lá, a fim de vermos o que nos espera no Brasil para os próximos anos: arrocho, inflação, desemprego, fome, pobreza, maus atendimentos públicos, aumento nos roubos, assaltos, etc.  Na Grécia a terça parte da população já vive abaixo da linha de pobreza.  Em certos segmentos da população o desemprego lá já é de metade da população. A inadimplência nas contas de luz já chega também à terça parte. E o Brasil vai seguindo o mesmo caminho.
     O fato não é novo. Embora sem o sonho socialista, Salomão fez a mesma coisa: gastou muito mais do que tinha e cobrou isso do povo, a quem escravizou, arrochando seus impostos. A reação popular foi colossal, a qual explodiu nos dias de seu filho Roboão.
     Eu quero sempre perguntar: E nós o que temos a ver com isso?
     É bom lembrarmos sempre que embora não pertencendo a este mundo, nós estamos nele... (Jo.17:16)
     Por outro lado, Deus nos responsabiliza como sal que a terra não tem (Mt.5:13,14). Na verdade, como povo que conhece a vontade de Deus, não temos sido bons sacerdotes para com a nação.  Pelo contrário, muitos evangélicos têm se locupletado com a embriaguez do poder e do dinheiro e se deliciado com as coisas deste mundo (1 Jo.2:15-17), deixando de salgar essa terra do Brasil.  Nunca houve  pastores ricos como hoje!
     Esse mencionado quadro de aperto é mau?
     Se a situação material tende a piorar, nunca vamos nos esquecer de que Deus continua a nos amar e a ser misericordioso.
     Segundo revelações de Deus, que nos foram dadas no passado, vamos passar por séria crise no Brasil, com muito sangue derramado e uma guerra civil.  Mas e depois?  Qual será o fruto espiritual disso tudo?
     Estou orando a Deus para que os resultados dessa crise sejam frutos espirituais. Que apesar da pobreza, fome e desespero, muitos se voltem para o Senhor. E que haja um despertamento espiritual verdadeiro, que fará muitos crentes se voltarem para Deus e aguardar, santos e limpos,  a volta do Senhor.
     Você crê nisto? Está disposto a orar com fé?  Ou vai esperar acontecer, para buscar o Senhor?

                                          Pr.  Érico Rodolpho Bussinger   em   14 julho 2015