quarta-feira, 5 de abril de 2017

O QUE VEM PELA FRENTE AGORA NO BRASIL?

        1964  NÃO  SE  REPETE  MAIS
                                               Pr. Érico  Rodolpho  Bussinger
                O ano de 1964 ficou marcado na História do Brasil como o ano de uma mudança radical de direção da nação como um todo.  A partir desse ano os evangélicos se firmaram e começaram a crescer em  número, influência, poder e riqueza.  As instituições mudaram.  A política mudou.  O crescimento econômico foi notório e o país se firmou entre as grandes economias em todo o mundo.  Grandes obras começaram a ser feitas em todo o Brasil.  A única reclamação que havia dizia respeito à falta de liberdade de expressão para críticas e pregação de mensagens esquerdistas.  Fora isso normalmente se gozava de bastante liberdade.
                Ao começar o ano de 1964 a situação do país se assemelhava à de nossos dias: Havia um governo fraco, a Economia paralisada e uma expectativa de algum golpe comunista iminente.  Isso, porque a pregação comunista era maciça, livre e convencia muitos trabalhadores, jornalistas e religiosos.  Insuflada pela União Soviética, que na época exportava sua "Revolução" comunista, manifestações públicas e greves ocorriam com muita freqüência no país, paralisando o Brasil. O Governo Federal apoiava essas manifestações e até ajudava com recursos e logística. A classe média e os empresários estavam atônitos e a nação toda esperava um golpe comunista iminente, que só não ocorreu devido à ausência de uma liderança única e reconhecida. Enquanto as esquerdas se mobilizavam para o desfecho final, que seria a tomada do poder, foram surpreendidas com a mobilização militar do General Olímpio Mourão Filho que, num ato isolado, partiu de Juiz de Fora para derrubar o Presidente João Goulart. Logo a seguir foi apoiado por outros destacamentos militares e em 24 horas os militares já tinham tomado o poder e o presidente Jango fugido para o Uruguai. Foram relativamente muito poucas as mortes, em contraste com os milhões que as revoluções comunistas vitimavam em todo o mundo .
                Ao iniciar o ano de 2016 a situação do país se assemelhava muito à de 1964.  Uma presidente enfraquecida, a Economia em recessão ladeira abaixo, a classe média atônita e um líder esquerdista forte (Lula) pregando a luta das classes trabalhadoras e dos mais pobres. Os militares, a exemplo de 1964, apenas observam atentamente.  O estopim do levante da classe média (hoje nas ruas) parece ter sido a operação chamada LAVA-JATO, de Curitiba, contra a corrupção inicialmente usando a PETROBRAS.  No desdobramento das investigações constatou-se que sua extensão era mais ampla e apontava na direção de um esquema bem estruturado e centrado no Palácio do Planalto. Com o avanço das investigações e a revelação do conteúdo das delações de envolvidos, ficou claro para toda a nação que o vulto maior desse movimento era mesmo o ex-presidente Lula.  Na iminência de ver as investigações o atingindo, partiu para o ataque político, tentando mobilizar as massas favoráveis às ideologias esquerdistas. E é o momento em que escrevo estas linhas, que poderão inclusive ser lidas muito depois dos acontecimentos terem lugar.
                Quando digo que 1964 não se repetirá, posso alinhavar alguns motivos:
1) O primeiro deles é que em geral a História não se repete. Se 1964 já houve, suas lições ficaram. Naquela época a revolução só ocorreu devido a uma atitude sensata do então presidente João Goulart, que quis evitar um banho de sangue no país. Se ele resistisse, o desfecho deveria ser diferente. Outro presidente pode não querer fazer o mesmo e resistir, derramando muito sangue..
2) Os rumos atuais do mundo não apontam para protagonismo esquerdista, mas sim do capitalismo do anti-Cristo (EUA e Europa). Ou seja, a onda de Satanás (do mundo) vai em outra direção que não do comunismo.
4) A partir de 1963 o povo evangélico orou muito. Apesar de ser pequeno em número na época, suas orações foram ouvidas e Deus agiu, movendo as circunstâncias (e os militares). E hoje?
4) Após 50 anos o povo de Deus se acomodou, se acovardou e se amoldou bem ao mundo, gostando da situação.  Deus então tem enviado muitas profecias de alerta, inclusive "Sangue em Sólo Brasileiro", há 30 anos atrás, avisando dessa guerra civil agora iminente. Nela o quadro era de confronto de povo armado nas ruas.  Recentemente Deus tem mostrado a necessidade dessa tribulação para a santificação dos crentes, para o despertamento dos desviados e não crentes e visando a preparação geral para o Arrebatamento da Igreja, já muito próximo. Dentro dessa ótica, convulsões sociais e mortes seriam instrumentos de Deus para sacudir e despertar os acomodados no Brasil.
                Por fim, em uma das últimas revelações, Deus me mostrou que vamos passar por um período de cerca de 2 anos de golpes e contra-golpes políticos.
                Ao final, após todo o preço pago (que não será pequeno), os acontecimentos resultarão em muitas conversões e uma igreja mais humilde e preparada para o Arrebatamento.

                Quem sobreviver verá.!                    Rio de Janeiro, março de 2016