quinta-feira, 15 de outubro de 2015

DEUS QUEBRA GALHO?

QUANDO  É  QUE  DEUS  FECHA  OS  

OLHOS  E  TOLERA?
Pr. Érico R. Bussinger

     É interessante observarmos na Bíblia e em nossa experiência pessoal quando Deus usa a Sua misericórdia e, como que, esconde Seus olhos santos às nossas faltas de conformidade. Eu tenho procurado observar essas circunstâncias e analisar os seus porquês.  Há situações em que Deus  se mostra extremamente rigoroso perante nossos olhos e age duramente em uma situação em que nós humanos não vemos tanta gravidade.  É como se Ele filtrasse um mosquito.   E ao contrário, parece também aos nossos olhos, que algumas vezes Deus deixa passar um camelo pela Sua peneira (Mt.23:24 ).  Deus foi extremamente rigoroso para com os erros de Saul, enquanto foi bastante condescendente para com os erros de seu “protegido” Davi.  Por que?
     Em uma certa ocasião alguns colegas meus,  que não eram cristãos, observaram que um outro colega cristão se mostrava muito rigoroso para com os erros alheios, mas extremamente tolerante para com seus próprios erros. 
     Para nosso interesse, a bem da verdade, todos nós cristãos somos levados a ver, com facilidade, um argueiro no olho alheio, enquanto não vemos (ou não queremos ver) uma trave em nosso próprio olho (Mt. 7:3).  Nós criticamos a corrupção dos outros, mas fechamos os olhos às nossas “pequenas” sonegações.  Será que Deus também é assim?  Será que Ele se mostrará rigoroso para com os pecados dos não cristãos e extremamente paternal para com os pecados dos cristãos?  Esse conceito é o que muitos evangélicos gostariam de entender no “pecado que não é para a morte” de 1Jo.5:16.  Mas eu creio que não é assim.  Deus não faz acepção de pessoas.  Sua espada é de 2 gumes. Ele é rigoroso para com os de dentro e o será também para com os de fora (2Ts.1:4-7).
     O que eu entendo sobre a natureza de Deus é que “Ele vê o coração” das pessoas (1Sm.16:7 ), para avaliá-las.  Em 2Cr.7:7 vemos Salomão oferecendo sacrifícios a Deus no chão.  É claro que aquilo fugia ao conceito de altar.  Mas Deus não reprovou aquela atitude. Ele viu sinceridade no coração do rei e de todo o povo. A razão daquele ato foi que havia sacrifícios demais para serem oferecidos e eles não cabiam todos no altar.  Davi desfez o conjunto do santuário de Deus e levou a arca para junto dele, colocando-a em um tabernáculo provisório.  E Deus não o reprovou por isso.  Em nossa experiência pessoal com Deus, quantas vezes somos levados a fazer algo fora do preceituado.  E Deus pode aceitar o que fazemos.  O rei Ezequias celebrou a páscoa no segundo mês, fora portanto da data certa. E Deus aceitou.  Um pastor pode ultrapassar a velocidade permitida na estrada e a seguir pregar a Bíblia no culto.
     A base para esta atitude de tolerância de Deus em certas ocasiões e para com certas pessoas (a Sua misericórdia) é exatamente a mesma base para a justificação e a salvação de qualquer pessoa (Rm.5:1). Será sempre pela Graça e nunca por nosso merecimento (Ef.2:8,9).  Jamais vamos merecer a bênção de Deus por fazermos “tudo certinho”. A aprovação de Deus a uma ação nossa nunca será baseada no nosso mérito.  É por esta razão que Deus tolera tanta “coisa errada”  em certas  pessoas, enquanto parece bastante duro para com outras.  Enquanto Deus exige o “suor do rosto” de uns, aos “Seus amados” Ele dá o pão “enquanto dormem” (Sl.127:1,2).   Para agradar a Deus o caminho bom não é o legalismo (moralismo) ou procurar “andar direitinho”. Rm.4:5.  Mas para agradar a Deus deve-se dar-lhe o coração inteiramente.  Para essas pessoas Ele vai “quebrar muitos galhos”.   Repito: ninguém será justificado diante de Deus por fazer “tudo certinho”.  Deus tem usado muitos obreiros “pecadores”, enquanto  irmãos “certinhos” da igreja em geral não produzem frutos.  Você já observou isso?  Uma irmã “certinha” , que anda “na Lei”, pode até nem alcançar o que busca ou ser justificada (Rm.11:7).  Porém Maria parava o trabalho e se reclinava a ouvir o Mestre e Ele lhe disse que ela tinha “escolhido a boa parte”.
     Entenda o que fazer para agradar a Deus.  Não adianta se esforçar! (Sl.127:1).   Mas ame-O.   Atribuem a Santo Agostinho a frase: “Ame a Deus de todo o coração e faça o que quiser...”  Em palavras do apóstolo Paulo o conceito é o seguinte:  “ame, pois o amor é o cumprimento da Lei” (Rm.13:8-10 e Gl.5:14).  Apesar dos seus erros.

     Entenda este conceito, para você também escolher a boa parte e ver Deus do seu lado.